segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

CORAÇÃO ROXO


             

             Sentado na varanda arborizada de minha chácara, enquanto esfumaceio o meu cachimbo regado com fumo e alfazema, admiro os cedros, ipês e jacarandás, entre tantas outras árvores já centenárias que rodeiam a casa. Para alguns se trata apenas de madeira, madeira de lei, algumas que tem se tornado raras, mas para mim são seres que fazem parte de minha história. Bodoque, meu fiel amigo, tão velho quanto eu está estirado no cimento gelado buscando aliviar-se da melhor forma do calor insuportável que parece crescer a cada ano. Somente no final da tarde uma brisa mais carinhosa e refrescante percorre a região dando-nos uma sensação de serenidade, untada com os odores da mata e do riacho não muito distante.

            É possível sentir também o cheiro bom da comida, provavelmente uma sopa com muitos legumes, que religiosamente Cosma e Damiana, minhas irmãs, preparam com imenso carinho como se fosse a primeira vez que a fizessem. Assim são elas pulando da cama por volta das cinco da manhã, cortam lenha, preparam o fogo, fazem pão, escolhem o arroz e o feijão, colhem brotos de abóbora para a cambuquira, recolhem ovos, em dias especiais matam uma galinha gorda para festejar.

            Sou o mais velho, Cosma e Damiana vieram logo depois juntas, gêmeas univitelinas, após elas Carlito e Celina que não resistiram, também não resistiu nossa mãe, Linda. Linda era linda mesmo, com cabelos castanhos muito escuros encaracolados até abaixo dos ombros. Foi cedo. Era boa demais, como dizem! Ficou meu pai, Zeferino, que talvez por ser um pouco ruim tivesse que ficar mais tempo. E ficando mais tempo não queria ficar sozinho. Casou-se com Yacê. Dona Yaya como ficou sendo conhecida. Índia que diziam ter sido caçada no laço. Tinha a doçura do mel e a picada da vespa. Contava-nos muitas estórias que trazia de seus ancestrais, em especial nas noites de lua cheia deitávamos aos pés dela na escadinha da varanda, esticados na terra, para ouvir suas cantigas e lendas. Assim nossa infância se fez permear de um constante enfrentar a dureza da roça e viajar por mundos intangíveis, onde somente a imaginação pode cavalgar.

            Foi com Yacê que aprendemos a utilizar da terra o necessário e respeitá-la, respeitar todos os seres que a habitam. Dizia sempre que não morreria que estava encantada. De forma enigmática, passados cinco anos da morte de meu pai, ela entrou na mata e por mais que a procurássemos nunca foi encontrada. Ficávamos olhando o céu, no movimento dos urubus, sinalizando algum ser em decomposição. Nossas buscas nos levavam a uma vaca ou cavalo morto, um cachorro ou uma raposa, mas nenhum vestígio daquela adorável anciã, que caminhava já curvada, lenta e insegura de seus passos. Cosma diz vê-la pela casa. Damiana disse várias vezes tê-la ouvido. Eu nada percebo, nem uma brisa mais gelada que pudesse associar a uma carícia sua.

            Com Yacê aprendemos a admirar dois amigos guerreiros. Purá e Murá. Dois homens solitários que não envelhecem e nem morrem. Talvez até por essa razão tenha me mantido solteiro. Ainda na infância conheci Jandiro, que morava no sítio ao lado. Uma amizade brilhante se estampou rapidamente. Jandiro tinha uma vida difícil, apanhava muito do pai, em especial quando decidia beber uma branquinha a mais. Aparecia surrado, com vergões, cicatrizes, hematomas. Diferente de meu pai, Antenor não quis se casar. A mãe de Jandiro, Concheta, abandonou Antenor e foi embora com o capataz. Levou consigo um pequeno baú com jóias da família de Antenor e moedas de ouro que ele guardava. Assim, descontava as mágoas em Jandiro.

            Com Jandiro vivemos momentos dos mais fascinantes e dos mais aterrorizantes. Vasculhávamos a mata, nadávamos nos rios, caçávamos passarinhos, também o consolava nos momentos de dor. Juntos descobrimos o mundo, a nós mesmos, nossos corpos, os prazeres e os temores. O pior dia foi quando Yacê derramou muitas lágrimas após uma conversa com meu pai. Antenor, descontrolado pela bebida, havia estrangulado o filho. Estava preso e o menino sendo velado na casa. Fui levado até ele, apesar de minha resistência, diziam que eu devia vê-lo para que ambos pudéssemos viver em paz. Estava desfigurado. Sua imagem nunca mais saiu da minha cabeça. O caixão com um fundo roxo, um véu roxo, várias flores onde se destacava uma que chamam de “coração roxo”. Até hoje a cultivo ao redor da casa e tornou-se um elo entre nós dois, onde a vejo imediatamente revive a figura alegre, companheira e frágil de Jandiro.

            Yacê contava que Purá esculpiu os homens em madeira e deu-lhes vida. Mas os homens não souberam respeitar uns aos outros e atenderem as ordens supremas de amor e, então, decidiu dar-lhes uma lição que pudesse mostrar sua fragilidade. Lançou fogo dos céus e o fogo consumiu a maioria dos homens. Assim esperava que o homem percebesse que não é superior a árvore, nem ao macaco, nem ao besouro, nem ao seu próprio semelhante. Todos queimam, todos podem morrer. Meu pai sempre advertia, com a Bíblia em punho, condenando Yacê por falar em deuses falsos, mas sem perceber lia trechos como “De sua boca saem tochas, faíscas de fogo saltam dela” (Jó 41:19) ou “por que nosso Deus é um fogo consumidor” (Hebreus 12:29). Justificava que Deus censurou a humanidade com água, através do dilúvio e não com fogo. Jandiro e eu nos entreolhávamos cúmplices esperando a próxima frase e ela vinha “subiu fumaça de suas narinas, e da sua boca um fogo devorador, carvões se incendiaram dele” (2 Samuel 22:9). Nessas imagens víamos a fúria de Purá. Purá era bem mais próximo para nós, presente na figura de nossa mãe Yacê.

            O fogo sempre cativou o homem e foi associado a Deus. No Bhagavad Gita há um trecho que diz:Eu sou a oblação, o sacrifício, a oferenda aos antepassados, a erva bendita, o hino sagrado, a manteiga purificada, o fogo e também a vítima consumida em holocausto.” Muito similar ao que encontramos no Antigo Testamento e nas crenças erroneamente classificadas como primitivas. Em geral as religiões de cultura oral são consideradas sem fundamento, fruto da ignorância. Por essa razão, passei longo tempo de minha vida estudando-as. Uma curiosa espiral que nos leva a um constante encontro com a mesma verdade. Apenas quem tem maior poder econômico e maior acesso a mídia acaba se mostrando como exclusiva verdade. Além de antigas maneiras de impor, bastando um pouco de dedicação a um estudo sério para compreender.

            Talvez por essa razão, Purá reserva outro momento purificador para a humanidade, novamente o fogo consumindo o homem. “E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte”. (Apocalipse 20:14).

            O fogo tradicionalmente purifica, transforma. Purá espera que o homem se transforme, mude suas maneiras de agir perante si mesmo, perante toda manifestação de vida, perante a espiritualidade. Seja verdadeiro consigo mesmo, sinta sua essência, sua alma. E isso nada tem a ver com conceitos de auto-ajuda, mas de perceber a magnífica teia em que vive e que é impossível tocar uma das cordas sem que tudo vibre. Vibre nesse mundo e no mundo de nossos ancestrais.

            “E formou o senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” (Gênesis 2:7). Seja feito do pó da terra ou da madeira das árvores o homem é um elemento da natureza, filho dela, filho da terra e filho das árvores. Digo isso sentindo o delicioso odor que vem dos eucaliptos.

            Agora devo me deter em minhas reflexões. Damiana me chama para saborear a fumegante sopa. E esse momento eu não posso perder.


CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções