quinta-feira, 7 de junho de 2012

MUTINS




Habitavam eles as fendas e grutas nos sopés das montanhas, um reino temido composto por homens que assemelhavam-se a feras em seus ataques. Sua chegada era prenunciada por um berrante de chifre de bode e ao seu som as aldeias agitavam-se impactadas e tinham a certeza de que seriam dizimadas. Chegavam aos berros, num ruído ensurdecedor que aturdia a todos. Seus corpos vestiam-se apenas com pinturas corporais assustadoras, anunciando terror e sangue. Iam em busca de um objeto preciso: mulheres jovens.

As mulheres escravizadas não podiam fazer parte da comunidade, eram cuidadas à distância, no vale de Agha-Bor. Ali atuariam como as mães dos futuros guerreiros. Seu tempo de vida era curto e estava condicionado a gerar meninos. Gerariam e amamentariam os Mutins, como eram conhecidos. Todos os membros recebiam em seu nome o prefixo Mutim. As mulheres, por sua vez, perdiam o direito ao nome, sendo chamadas genericamente de Elan. Em alguns lugares não era permitido se quer pronunciar seu nome sob pena de atrair desgraças múltiplas. As mulheres que se recusavam ou que não concebiam eram levadas dali para experenciarem os maiores tormentos.

Os Mutins eram formados apenas por homens. Assim que a criança já podia deixar a mãe era levada para a comunidade onde era iniciada nos preceitos do grupo. Apenas aqueles que demonstrassem grande coragem e poder tinham o direito de raptar uma mulher e gerar seu filho. O menino recebia um nome ao nascer e a partir dele acrescentava títulos que se associavam a ele, destacando características pessoais ou ações de destaque.

No grupo haviam aqueles homens consagrados ao Deus Mahu-Chabah, não guerreavam, pintavam o rosto de azul celeste e preparavam os alimentos, teciam, faziam cerâmicas, realizavam as pinturas corporais, sendo inclusive responsáveis pelos prazeres sexuais dos guerreiros. Eram os maús, homens sagrados.

Naquele dia em que o céu da tarde se tingia de um rosado sereno, o choro de um bebê anunciou a chegada de mais um membro. A Elan era muito jovem e não resistiu. Mutinja seria cuidado pelo seu pai e uma cabra foi levada a ele para amamentar a criança. O bebê seria cuidado por um maú.

O garoto destacava-se entre os demais pela agilidade, valentia e intuição. Tornou-se o orgulho dos aldeões. No tempo das chuvas demonstrou que adentrava a fase adulta. O ingresso nessa nova fase exigia sacrifícios. A partir dos rituais poderia reunir-se aos homens adultos, com exceção dos anciões que constituíam um grupo fechado e marcaria um novo ciclo de sua existência...caso chegasse até a idade necessária, o que era desafiador. Os perigos rodeavam-nos o tempo todo, animais, os perigos da selva e da montanha, outras tribos, doenças, entre inúmeros outros que poderiam extinguir sua vida a qualquer momento. O próprio rito de iniciação poderia condená-lo a morte.

A noite iniciou-se com danças, algumas cabras assadas e uma bebida alcoólica fermentada a partir de um fruto ácido que emergia nas encostas. Mutinja estava nu, inteiramente pintado em um tom de verde musgo e pintas brancas – a cor dos espíritos. Naquela noite deixaria sua vida de menino para se tornar homem. O velho feiticeiro a todo instante o incensava, batia-lhe ervas pelo corpo, pronunciava palavras incompreensíveis, gritava algo que o fazia tremer embora não pudesse entender o significado de tudo o que estava vivenciando, nem podia imaginar o que o aguardava. A lua estava brilhante e redonda. Bebeu um suco acre de ervas e entrou em transe. Passou a comportar-se como uma siriema, em sons e gestos, cacarejando, enquanto os participantes aclamavam o espírito ali presente, até que caiu em sono profundo.

Despertou em plena escuridão. Chamou, gritou, chorou. Sentia a umidade e o frio adentrar-lhe as carnes. Buscou uma saída, um raio de luz, mas nada apontava onde estava e como deveria sair dali. Tateou pelas trevas sentindo que provavelmente estava dentro de uma gruta. Sentia a água fria correndo pelos seus pés. Não sabia se buscava a saída de onde a água vinha ou para onde ela ia. Procurou sentir o vento, mas o ar parecia estagnado. Buscou sons e encontrou o mais profundo silêncio. Notou morcegos no teto da gruta. Havia uma entrada. Resolveu ir contra a correnteza, escorregando, ferindo-se, caindo em valas. Sentia fome e frio. Horas ou talvez dias se sucederam. No alto avistou raios de sol, como se passasse por uma peneira. Tentou escalar e não obteve qualquer êxito. Apoiando os pés em cada parede começou avançar até encontrar o espinheiro que tapava a abertura.

Arranhões, perfurações e queimaduras produzidas por ervas urticantes. Mutinja venceu a primeira prova. Estava, contudo, sozinho na floresta. Devia levar uma siriema viva para a aldeia. Lembrava-se disso. Sentia-se fraco e o corpo ainda nu parecia ressentir-se da própria brisa da manhã. Precisava se alimentar. Buscou pequenos frutos e larvas. Avançando mais e mais avistou um casal de siriemas. Era sua chance. Criou armadilhas, imitou-os, até que quase mediante a desistência conseguiu capturá-lo. 

A questão que se desdobrava era descobrir a localização da aldeia. Precisava ser ágil, a siriema deveria chegar viva.

Sentou-se desalentado aos pés de um jequitibá. Foi quando Ecuzo, o deus das sombras da floresta, apareceu-lhe apontando para sua esquerda. A visão foi repentina e poderia jurar que nada havia visto, porém uma alegria e certeza brotaram férteis em seu interir. Entardecia quando chegou a aldeia sendo saudado por todos com o nome Mutinjupi. Agora era reconhecido como homem.

Tornou-se um guerreiro implacável e tantas foram as vitórias que o velho feiticeiro anunciou que deveria garantir sua existência. Um grupo de oito guerreiros cortou a madrugada rumo a terra de Norh, onde o povo que vivia em palafitas, mantinham virgens que zelavam pela Deusa Anciã, Shabunã. Aquele era o dia da consagração de três meninas a Deusa. Uma delas geraria o seu filho. Espreitara o lugar há meses, conhecera seus hábitos, rotinas e escolhera a Elan.

O fogo se alastrou rapidamente pelo templo de palha. Mutinjupi tinha o seu troféu. Na estrada, contudo, foi surpreendido pela presença da Anciã. Ela soprou-lhe um pó de odor estranho e despareceu da mesma forma com que surgiu, sem ser percebida. Os homens temeram a maldição da deusa, mas o guerreiro sorriu. Nada o fazia recuar.

A moça era de extraordinária beleza. Altiva declarou chamar-se Kadan e jamais aceitaria ser chamada de Elan como todas as outras mulheres escravizadas. Domar a donzela tornou-se a principal meta do destemido guerreiro. E as insensíveis maneiras de domesticação logo a tornaram submissa.

Kadan engravidou e deu a luz a uma menina. Isso era uma desonra para os Mutins. Foram feitos ritos propiciatórios. Mutinjupi foi purificado e deveria permanecer recluso, com o consumo de determinadas ervas até o sacrifício da menina e da mulher. Na gruta, relembrou os momentos vividos com a moça ao mesmo tempo em que se condenava. Nenhum Mutin se apaixonava, mas ele não concebia a ideia de oferecer sua filha e aquela Elan em holocausto. Algo acontecia em seu interior que o impelia defendê-las.

Desafiando todas as regras, planejou a fuga. Deveria ocorrer no dia anterior ao sacrifício quando Kadan seria levada a cachoeira para banhar-se iniciando os ritos de sacrifício. 

Com a fúria de uma tempestade, Mutinjupi atacou os guardiães da moça, desencadeando uma luta feroz. O sangue fecundou as areias que circundavam a cachoeira. A água tornou-se escarlate. 

Lembrava-se da Anciã em seu caminho. Estava certo de que ela o havia enfeitiçado. Suas ações eram irracionais, contrariavam a tudo o que havia aprendido. Aquela Elan não podia merecer o sangue derramado de seus amigos. Nesse leve lampejo de consciência pensou em matá-la e assim conter a magia, mesmo sabendo que seu ato já o havia condenado a morte. Percebeu que a Elan havia fugido. Sua fúria tornou-se incontrolável. Ela tentava resgatar a menina. Chegaria antes e a mataria.

A menina estava deitada em uma manjedoura enfeitada de lírios do brejo, guardada por dois Mutins chamados de invencíveis. Mutinjupi contornou o lugar caminhando entre arbutos, silencioso como a sucuri. Aproximava-se sorrateiro quando uma cabra pôs-se a berrar atraindo a atenção dos homens para ele. Uma luta se desencadeou, sendo ferido, embora em fuga com a menina nos braços. Novamente agia impensadamente. Estava ali para exterminá-la e não para salvá-la.

Nas margens do grande rio, exausto, viu a Elan aproximar-se e tomar a menina. Deu-lhe algumas folhas para mascar. Elas iriam aliviar a dor. Um grupo de mulheres o levou para as palafitas.

A recuperação foi lenta. Tornaria as mulheres de Norh hábeis na arte da guerra. O objetivo: dizimar os Mutins.  

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções