sábado, 7 de julho de 2012

A SENTENÇA




“É a agulha que carrega a linha”
(Sentença do Odu Ofun Meji)

A mulher saiu descontrolada, não suportava mais os desaforos do marido. Casara-se cedo. Feliz e entusiasmada. Apenas dezesseis anos. Acreditava ter encontrado o príncipe de seus sonhos. O primeiro filho não demorou a chegar e logo o segundo e o terceiro. Abandonara os estudos. Seria dedicada esposa e mãe. As rotinas da casa e do cuidar dos filhos não a enfastiavam. A vida era assim. Monótona algumas vezes, repetitiva como o som hipnótico do tambor. O marido, ciumento igual a só ele, não lhe permitia grande mobilidade. Uma rápida corrida até o mercado e nada de bate-papo aqui e ali. Ele não gostava. Queria que ela estivesse ali, entre os limites da casa em que residiam. Temerosa de perdê-lo e receando confrontos evitava mostrar-se em público. A simples compra de algumas verduras quando Seu Joaquim passava com sua bicicleta era quase um trabalho de ninja.

Assim as crianças começaram a crescer. Viam a mãe resignada, paciente e submissa. O pai trabalhava o dia todo. Coisa de homem. Voltava tarde para casa. Não viam carinho entre os pais. Ele chegava, quase sempre tenso e ríspido, de cara fechada e poucas palavras, tomava o banho e trocava-se. Queria a comida quente, a casa limpa, as roupas perfumadas. Nos aniversários e Natal sabia presentear os filhos. Eram momentos de festa, geralmente churrasco, onde se reuniam amigos e familiares. O pai bebia bastante nestas ocasiões, procurava apontar todos os defeitos da mãe e humilhá-la diante de todos. Estava ficando gorda e desleixada. Cabelos desalinhados, roupas baratas e em desuso.

Apesar de tudo, aceitava. Os homens são assim. A vida é assim. As coisas hão de melhorar. Com frases assim se sustentava, alimentava esperanças de um futuro que chegaria. Mas não chegou. Percebeu que o marido tinha outras mulheres. Enquanto ela cuidava da casa, dos filhos, da roupa lavada e passada, da comida saborosa, ele se divertia. Com o tempo algumas pessoas romperam o silêncio e o delataram a ela. Nascera o filho dele com fulana. Com a outra já tinha dois.Vencendo os medos discutia, brigava. Aos poucos ele próprio dizia que estava saindo com essa ou aquela.

Quando percebeu que estava com uma doença venérea, compreendeu que bastava. Passaram a viver em quartos separados. Perdera um filho em razão disso. Mas não tinha suficiente coragem para terminar o relacionamento. O que faria sozinha? Sem estudos, sem emprego, sem parentes e sem o sustento do marido. As humilhações ampliavam a cada dia. Era preciso resignação. Algumas pessoas enunciaram que se tratava de um carma e que deveria suportar com grandeza.

Desconsolada buscou uma pessoa que lia cartas muito bem. Hélio. Diziam que ele tinha uma cigana fantástica que revelava tudo através do baralho. Era a esperança ou a desilusão total. Era no meio da tarde quando chegou até onde ele morava. Bateu palmas várias vezes até que uma mocinha atendeu. Parecia que ela estava fazendo faxina na casa. Disse que ele estava atendendo uma pessoa e que aguardasse. Esperou na sala. Um sofá de tecido cor de vinho desgastado. Uma mesinha com um cinzeiro abarrotado de tocos de cigarros e um vaso com rosas artificiais vermelhas. Uma cortina em tom de goiaba. A casa era pequena pelo que pode perceber. Simples como a sua.

Ele bateu palmas, invocou a cigana, concentrou-se. As cartas foram se abrindo e relatando sua vida com uma impressionante riqueza de detalhes. A cigana sabia o que se passava.

- “Pegar água num cesto é trabalhar inutilmente!”1, disse o homem com sua aparência gorda e debochada.

Voltou para casa ansiosa e repleta de sonhos.

Meses se passaram. As agressões verbais a minavam. Resolveu separar-se. Ele gritou e ameaçou. Mas esgotada decidiu gritar mais alto. Ele fez menção de agredi-la fisicamente.. Ela avançou com um castiçal de pedra sabão sobre ele. Semanas de ofensas. Os filhos contra ela. Certamente haveria outro homem. Os filhos optaram pelo pai. Com dinheiro contado para o ônibus rumou para casa de seus pais.

A notícia da separação à princípio foi uma bomba. O pai a condenou e a mãe a absolveu. Sabia o que a filha sofria. Teve seus cardos também.

Passou a estudar e foi trabalhar de doméstica, arte que dominava com galhardia. Era importante mudar sua vida. Sofria com a ausência dos filhos, mas estava certa de que o tempo resolveria tudo. Saberiam quem era verdadeiramente o pai deles.

O curso de secretária abriu um outro horizonte. Atenciosa, dedicada e cuidadosa rapidamente conquistou a todos na empresa em que fora empregada. E foi assim que conheceu um dos clientes. Gentil, cavalheiro e carinhoso. Rendeu-se. Foram morar juntos sob o protesto do pai e receio da mãe. Um filho. Viagens pelo Brasil e Europa. A vida mudara. Sentia-se viva. Sentia-se mulher. Sentia-se amada. Já havia se esquecido dessas sensações.

Certa manhã enquanto caminhava desligada pelo calçadão olhando uma e outra loja, um sapato, uma bolsa ou um novo modelo de óculos de sol, foi interceptada por uma velha cigana querendo ler sua mão. Resistiu, buscando ignorar a mulher. Mas perante a insistência, estendeu-lhe a mão para que a anciã caminhasse pelas linhas ali delimitadas.

A senhora sorriu enigmática. Falou sobre a mudança que ocorrera com o novo casamento. Anunciou que o ex-marido morreria em um acidente de automóvel, que os filhos retornariam a ela, exceto um que jamais a perdoaria por ter se separado do pai e a condenaria por sua morte. Mas alertou que as nuvens se movimentavam rapidamente e teria uma surpresa muito desagradável. Curiosa insistiu para saber o que aconteceria.

- “Ninguém conhece tudo o que existe no fundo do mar...”2 , declarou com um certo sorriso.

Abriu a bolsa e lhe deu algum dinheiro.

O marido chegou mais cedo e pediu para conversar. Revelou de súbito, tremulando as mãos, com a voz embargada, que estava apaixonado por outra pessoa. Por acaso, a pessoa era sua melhor amiga. Tinha metade de sua idade. Uma garota. O mundo veio abaixo. Sem maiores explicações disse que providenciaria uma nova casa para ela. A providência parecia já estar planejada, pois três dias depois, desceu do taxi e rumou para o apartamento em que passaria a residir. Entrou em profunda depressão.

Voltou a buscar trabalho. Idas e vindas. Não estava fácil. Meses de procura e nada. Tanto insistiu que conseguiu ser recepcionista em um hotel internacional, aproveitando sua habilidade de se comunicar em inglês e espanhol com certa fluência.

Coincidentemente recebeu a notícia da morte do ex-marido e a chegada dos dois filhos. Ficariam no apartamento. O mais velho, Pedro, havia viajado para Nápolis e dificilmente retornaria para junto dela. Havia espaço para todos.

Estava assustada. Ao passar por uma casa de artigos religiosos divisou uma imagem de Santa Sarah Kali. Comprou-a. Sua história com a energia cigana era indescritível. Resolveu ler, estudar, conhecer mais assunto.

A vida estava para lhe preparar outra cilada. Ao parar para tomar um capuccino, encantou-se com a beleza de um homem que conversava animadamente com o balconista. Riu de várias intervenções do homem, de suas considerações inteligentes e alegres. Logo estava inserida na conversa e pode apresentar-se. Seu nome: Jorsca. Sangue cigano. Nova paixão, novas esperanças, nova vida.

Reação negativa dos filhos à princípio e uma grande amizade em seguida. Jorsca e seus dois filhos tornaram-se unha e carne. Um risco. Nova gravidez já em idade não aconselhada. Nascia Richenda. Uma menina paparicada. Inclusive pelo filho do segundo casamento.

Despertou suada pela madrugada. No estranho sonho a terra se abria diante de seus passos. Das valas uma voz emergia cavernosa:

- “Se pretendes me comer, deves apressar-se, senão, o que abre a boca aos teus pés, te impedirá de comer.”3

Sabia que seu filho havia retornado ao Brasil. Foi ao encontro dele. Várias tentativas de conversar e a frieza, a resistência e a indignação do rapaz. Escreveu-lhe doce carta manifestando seu amor e pediu que lhe fosse entregue.

A areia da ampulheta escorria rapidamente.

Ao deixar o prédio, sem saber de onde um carro em alta velocidade a lançou metros adiante. Estava morta.


1- Sentença do Odu Owónrin Meji
2- Sentença do Odu Irosun Meji
3- Sentença do Odu Oxê Meji


CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções