domingo, 23 de setembro de 2012

SOMBRA FAMINTA


http://fotosbossini.blogspot.com

Mais uma vez deixou a casa sob uma chuva de beijos e abraços da esposa. Pegaria a estrada com seu pesado caminhão de carga. Desde pequeno acompanhara seu pai e pegara gosto pela coisa. Era um apaixonado, mesmo refletindo sobre os riscos que enfrentava atravessando o país de ponta a ponta. Casara-se tarde. Com Patrícia. Bem mais jovem. Procurava tratá-la como uma rainha oferecendo a ela a melhor casa, o maior conforto, o melhor de si. Era mais uma despedida.

Estimulada pelo longo tempo em que ficava sozinha, motivada pela solidão ou traços ocultos de sua personalidade simulava estórias de descaso e maus tratos do marido, em especial para seu primo, Nando. As lágrimas nos olhos, a expressão de rejeição e sofrimento logo cativaram o moço, que se dividiu entre pena e vontade de protegê-la. O fato é que as viagens do marido promoviam encontros amorosos e ardentes, na cama do casal. A voz rouca e chorosa de Patrícia encantava não apenas Nando, mas quem desejasse, até mesmo o motorista do ônibus de estudantes que a levava diariamente para a faculdade. Fazia cara de nojo quando o assunto era o marido que se alongava pelas estradas.

Os encontros foram se tornando mais frequentes e intensos. A desculpa de Nando era o dó que sentia da prima desolada. Nando era jovem. Frequentava ainda o Ensino Médio, embora fosse encorpado e chamasse bastante à atenção. Comportava-se, contudo, com discrição perante o assédio natural das colegas, de maneira a gerar insinuações sobre sua sexualidade.

Costumava confidenciar-se com seu amigo Vadinho. Confidenciava-se ingênuo como quem faz em quem confia. O amigo atento espremia-se na ânsia de contradizer, mas calava-se opaco qual vidraça que recebe o vapor de nosso sopro em dia gelado. Juntos saíam, os dois, para uma cerveja gelada ou algum evento cultural, uma vez que Vadinho era ligado a cultura e conhecia os melhores locais para saborear esses momentos na cidade. Esse convívio fez notar que Vadinho nutria outros interesses e ciente disso dissimulava necessidades quase sempre prontamente atendidas. Vadinho apesar de todo envolvimento com eventos locais era solitário em si mesmo. Temia, por sua vez, revelar-se e perder definitivamente a oportunidade de estar ao lado de Nando. 

Nuvens gordas se arrastavam pelo céu, pesadas e cheias, em certa tarde e nessa tempestuosidade Vadinho trêmulo e inseguro gaguejou que estava apaixonado. Os raios que lampejavam lá fora ecoavam dentro de si. Seria tudo ou nada. Assim como as nuvens estavam encharcadas e deviam explodir-se em chuva, assim ele precisava desaguar todo aquele vendaval que o estava consumindo. Nando fez-se de surpreso. Alardeou que gostava de mulheres, que saía com a prima e que se sentia lisonjeado. De qualquer forma quando a Imperatriz Leopoldinense sagrava-se campeã do carnaval carioca com o enredo “Brasil mostra sua cara”, Nando descobria algo mais sobre sua sexualidade e despertava em si a percepção de novas oportunidades.

O marido de Patrícia também se dividia. Tinha uma mulher e dois filhos em uma cidade próxima. A mulher era Sílvia. Os filhos. Tarso e Thiago. Após deixar Patrícia, em geral passava para ver Sílvia e os filhos e quando retornava sempre tinha alguns mimos para distribuir para as crianças que o esperavam ansiosamente. Sílvia sabia de Patrícia.  

A oportunidade visualizada por Nando era financeira e projeção social. Assim Vadinho seria um investimento. Por outro lado, não intencionava deixar Patrícia, uma vez que ela mesma declarava-se apaixonada e incapaz de viver sem ele, diante das intempéries da vida e os sofrimentos materializados por seu algoz e marido. Os olhos gotejantes de Patrícia faziam Nando vacilar, mesmo diante da certeza de deixá-la.

O caminhão estacionou ao lado de um extenso seringal. Almejava descansar. Acomodava-se na boleia para um cochilo quando sentiu que precisava liberar algum líquido já em desuso pelo seu corpo. Desceu olhando para os lados assegurando-se estar só naquele lugar em que as árvores cerceavam os poucos raios de sol que se atreviam furtar-se das nuvens. Um ato normal tentava ele executar se não fosse ter sido chamado a atenção por um farfalhar produzido pelo vento ou um animal. Talvez. Mas havia quase certeza de tratar-se de uma pessoa. Apressou-se de volta ao caminhão.Tentou sair várias vezes, mas o veículo parecia estar emperrado. Insistiu até conseguir. 

Pegou a estrada sentindo a pele áspera do asfalto, com estilhaços de pedras espargindo-se enquanto os pneus a cutucava. Vez outra pelo canto do olho acreditava visualizar alguém no banco ao lado. Não estava só. Um vulto esfumaçado e negro havia pegado carona. Arrepios se sucediam eriçando-lhe os pelos. Lembrou-se de que dias antes, embriagado, enquanto visitava Sílvia invadira a casa do vizinho, de facão empunho, ameaçando-o. Sílvia havia confabulado com o vizinho e revelado seu caso com ele, o infortúnio é que o vizinho era Vadinho e este conhecia Patrícia. O receio de Vadinho revelar o relacionamento para Patrícia levou-o a invasão.

Na casa de Vadinho a alegria contagiava. Muitas pessoas. Era festa de Xangô. Diante da aparição do homem investido de vingador afastaram-se alguns e produziu-se murmúrio e medo entre as pessoas; mas Vadinho, com uma autoridade irrepreensível, ordenou que ele saísse. Perturbado e confuso, deixou a casa, não sem antes deixar claro que mataria Vadinho se Patrícia soubesse. A festa prosseguiu. Nando afundou-se na cadeira reflexivo e absorto diante do ocorrido.

Por fim, o caminhoneiro abandonou os pensamentos sobre isso. Certamente não havia relação e ficara apenas impressionado.

Patrícia percebeu pelas reações orgânicas que vinha enfrentando, que estava grávida. Estava em dúvida se o filho era de Nando ou do motorista do ônibus. Achou por bem garantir que todos soubessem e, em especial, seu marido, que esperava um filho dele, do motorista de caminhão. A alegria do caminhoneiro era grande e esperava uma menina, afinal já tinha dois meninos. 

As noites do caminhoneiro, mesmo ao lado de Sílvia ou Patrícia estavam agitadas. Sentia-se fugindo de algo e despertava sentindo mãos os agarrando. A sensação física de mãos fortes o segurando o fazia saltar de um único pulo, gerando pânico também nas mulheres. Que consideraram estar estressado, cansado demais.
A gravidez de Patrícia era de risco, permanecendo muitas vezes deitada, com medicamentos e muitos cuidados médicos. O caminhoneiro via com simpatia a preocupação de Nando que lentamente aproximou-se e foi se alojando na casa.

O celular anunciou um telefonema de Sílvia. Tarso havia sido atropelado e estava sendo levado para o hospital. Quando avistou Sílvia, chorosa e desencantada, percebeu também a mesma sombra vagueando ao redor dela. Era preciso rezar. Mas não rezou. O médico como quem em dúvida para falar arremessou sobre o casal a morte do menino. Não resistira. Muitos ferimentos. O motorista havia desaparecido sem deixar pistas.

- Você terá uma filha, revelou Patrícia percebendo que perdia Nando a cada dia. Embora procurasse manter uma relação discreta com Vadinho a percepção da amante identificara sagazmente o que vinha acontecendo. Jogar-lhe uma filha no colo era amarrá-lo a si.

O moço empalideceu por instantes. Sorriu e aplaudiu. Depois esmurrou a parede e questionou que a menina nunca poderia ter o nome dele. Planejou fugirem. Viverem apenas os três, longe dali. Mas Patrícia não abandonaria todo o conforto apesar do fogo que a incendiava por ele. Criou desculpas. Pediu calma diante do marido violento.

Vadinho observou atentamente Nando quando este lhe contou sobre a filha. Não disse nada. Mudou de assunto como se não tivesse ouvido. Falou sobre uma viagem a Florianópolis que fariam. Entre a filha e a viagem, Nando passou a conversar animadamente sobre Floripa.

De madrugada, Patrícia foi levada rapidamente ao hospital. A menina não nasceria. Foi a sogra de Patrícia que anunciou ao filho o que acontecera. Estava distante demais para chegar. Desesperou-se. Chorou. Pela primeira vez chorou. Convulsivamente. Esmurrou a direção. Amaldiçoou deus e a vida, o destino e as estradas.

Vendo a vida fácil que conquistara com Vadinho, as roupas de marca, as viagens, os contatos que estabelecera, Nando entendeu que poderia ir além. Dentre os conhecidos de Vadinho estava Tito. Fotógrafo, muitas viagens e trabalhos nos Estados Unidos. Resolveu visitá-lo. A visita prosperou em algo mais. Deixou a casa certo de ter fisgado alguém ainda melhor que Vadinho.

Na estrada o caminhão apontou um problema. Pensou em buscar um lugar seguro para estacionar, mas encontrava-se subindo uma serra com a restrita opção de subir ou descer. O caminhão demonstrava urgência e cuidados. Embora hábil e experiente notava preocupado que algo acontecia. Ao fazer uma curva perigosa deparou-se com a estranha figura etérea que vinha lhe acompanhando. Atravessava a rodovia. Assustou-se, desviando rapidamente o veículo. Em queda livre o caminhão despencou sem chances de sobrevivência.

Na casa de Vadinho, Nando entusiasmado pelas conversas deixa escapar um elogio aos desenhos das porcelanas de Tito.Uma discussão arrebata os dois, violenta, feroz. Nando estava sem saída. Revelou que vinha se encontrando com o fotógrafo. Vadinho rompe a relação sem exigir maiores explicações.

Por dias, Nando o procura. Sem que seu arrependimento fosse considerado.

Vadinho desligou a televisão enquanto ouvia João Paulo II pedir perdão a humanidade pelos erros cometidos pela Igreja. Teria a possibilidade de visitar pessoalmente o Vaticano. Uma tournée pela Europa o clamava. Entrou no táxi e rumou ao aeroporto.

Nando exasperou-se ao saber que Tito falecera naquela manhã. Enfrentava há alguns meses alguns problemas causados pela falta de imunidade, a neurotoxoplasmose, sarcomas e diversas infecções o levaram a óbito.

Diante da casa de Patrícia, uma sombra, atenta e faminta, observava pelos vultos na janela o diálogo desesperado entre ela e Nando.




CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções