sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Dias de hoje: construção de novos saberes através de novas metodologias


http://companheirodavida.blogspot.com.br/2012/01/acredita-que-os-gatos-tem-um-poder-o.html

“A aprendizagem da aranha não é para a mosca”
Henri Michaux

Um dos grandes desafios ao se buscar unir as duas pontas do processo, gerando o circuito ensinar e aprender, além das diferenças individuais, de maturidade e expectativa, níveis diversificados na formação geral e motivação bastante particulares, está o próprio processo de recuperação da aprendizagem. Indiscutível que hoje nossos alunos possuem um perfil muito diferente daqueles com os quais nos deparamos no passado, portanto inútil se faz o saudosismo. Mas no meu tempo! Pensar na formação do aluno nos dias atuais, seja na educação acadêmica ou profissional, faz-se pensar de forma implícita a recuperação. Exclamações exasperadas como “nossos alunos sabem cada vez menos”, “chegam cada vez menos preparados”, ou ainda expressões mais contundentes como “não sabem nada” muitas vezes recheiam o intervalo da sala dos professores, nas reuniões de Conselho de Classe e outros momentos em que mais de um docente se encontram reunidos em conversa informal. O desabafo desponta.

Inegável que diante do avanço tecnológico e a expansão da educação, através de diferentes mecanismos para democratização do ensino, algumas pessoas antes excluídas do processo, passaram a ocupar os bancos escolares. A necessidade e a exigência cada vez maior de escolaridade também forçou muitas pessoas a retornarem e a buscarem seus certificados e diplomas. As turmas, assim se heterogeneizaram, de maneira que podemos encontrar sentados lado a lado, em um mesmo módulo e curso, alunos de dezesseis e cinquenta e oito anos. Esse novo perfil, naturalmente obriga o docente a rever metodologias e mecanismos de monitoramento da aprendizagem.

A inserção de metodologias ativas deu uma importante abertura ao docente permitindo estabelecer discussões e convocar todos os alunos a uma posição operante, cooperativa e colaborativa, compartilhando e socializando informações. Brainstorming, Brainswritting, Scamper, PNI (positivo, negativo, interessante), Mindstorming, além de uma releitura dos debates, seminários e visitas técnicas monitoradas geram um momento de construção de saberes, valorizando conhecimentos acumulados de cada aluno. Esses mecanismos impulsionam a contextualização e naturalmente “prendem a atenção” do aluno, pois ele próprio vai esculpindo ou tecendo os conceitos, princípios e bases que constituirão o alicerce de seu aprendizado. Vezes muitas as Danças Circulares Sagradas, Seis Chapéus, Mapas Mentais e Método do arco vão ressignificando o processo de ensinar e aprender. Um outro ângulo no processo que extrapola os rigores da aula expositiva e dialogada. 

A Resolução n.º 02, de 30/01/2012, expõe o currículo em uma perspectiva dinâmica, conforme reproduzimos:
“O currículo é conceituado como a proposta de ação educativa constituída pela seleção de conhecimentos construídos pela sociedade, expressando-se por práticas escolares que se desdobram em torno de conhecimentos relevantes e pertinentes, permeadas pelas relações sociais, articulando vivências e saberes dos estudantes e contribuindo para o desenvolvimento de suas identidades e condições cognitivas e sócio-afetivas.”
Tais meios de explorar os temas estudados também valorizam abordar um mesmo assunto sob vários olhares, favorecendo o processo de recuperação, sem recorrer-se às tradicionais provas ou a criação do famoso cenário onde “hoje é recuperação” ou “semana de recuperação”. A recuperação é o tempo todo, adentrando trilhas e descobrindo caminhos férteis de serem explorados. Se o aluno deixa de ser curioso no processo de aprendizagem, ele pouco aprende.

Teorias importantes como a das “Inteligências Múltiplas” mostra-nos uma nova forma de ver a aprendizagem e nos despertar algumas outras preocupações. Avanços da neurociência e neurolinguística também fornecem relevantes subsídios para o educador de hoje.

Há tempos se fala em gerar problematização que crie interesse no aluno, a fomentação de projetos interdisciplinares que lhe permitam romper o cerco cimentado e compartimentalizado dos Componentes Curriculares, pressupostos de uma concepção newtoniana-cartesiana, e enxergar o mundo como um belíssimo crochê, uma renda de bilros, repleto de conhecimentos consolidados pelo tempo e outros a serem questionados e outros ainda a serem descobertos, mantidos ocultos no véu da ignorância. Aguardando mãos hábeis que lhes dê luz. O professor, como tecelão de inteligências, com a agulha especial de sua sensibilidade vai produzindo os trançados para que o mais belo artesanato se materialize.

De alguma maneira ainda lidamos com o aluno reféns da etimologia da palavra. Do grego “sem luz”. Esse conceito parece abastecer e imantar algumas ideias sobre o ato de ensinar. Similar a ideia do aluno tabula rasa, de John Locke. O termo, contudo, vem do latim – alumnus – e significa “discípulo”, derivando do verbo alére, ou seja, “fazer crescer, nutrir, desenvolver, sustentar, fortalecer”. O aluno-discípulo nos propicia uma visão maior do que se tivéssemos diante de nós um ser sem luz.

O processo de ensinar e aprender, tendo muito claro que a recuperação da aprendizagem está intrínseca, nos direciona a colocar o Plano de Trabalho Docente, Plano Pedagógico ou Plano de Aula, não importa o nome que se dê, a um lugar de destaque e se faz merecedor de cuidadosa elaboração. Alguns vínculos devem ser estabelecidos. Naturalmente esse Plano ou Projeto estreita-se com o Projeto Político Pedagógico da Escola, com as orientações contidas no Plano de Curso – caso haja -, e apoia-se em diferentes legislações como a Resolução n.º 02, de 30/01/2012  que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, e uma consistente análise de indicadores e perfil da turma. Informações e dados preciosos para que o docente se aproxime do grande trabalho que busca realizar e sua reflexão sobre os caminhos mais propícios para que tenha êxito.

Obviamente, a educação não tem receitas. Inclusive, é sempre interessante pensar, que uma mesma receita de bolos, distribuída aleatoriamente, também produzirá bolos distintos. Há variáveis como o clima, a temperatura do forno, o tempo em que foi batido, a inserção dos ingredientes, além das características pessoais levando alguns a rechearem, outros não e surgem aqui diferentes recheios e coberturas. É preciso respeitar-se as características e especificidades, daí o estudo sugerido do perfil, indicadores e avaliação diagnóstica.
Um vídeo que deve ser visto e analisado pelos educadores é “Vida de Maria”, facilmente encontrado no Youtube. Recomenda-se sua reflexão. Atingimos um momento ímpar da história da educação. Mergulhados em muitas teorias de ensino e de aprendizagem, friccionados por diferentes filosofias educacionais, o docente hoje encontra – mais do que nunca – o desafio da sala de aula. Interesses diversos se movimentam no âmago da sala de aula. Alunos desejos de aprender. Alunos em busca de um diploma ou certificado. Alunos absortos e alheios ao seu próprio futuro. 

Enquanto isso a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, em seu inciso III, artigo 13, nos conclama a zelarmos pela aprendizagem dos alunos. Reforço que para que se alcance nosso objetivo enquanto educadores repensar práticas se faz sine qua non, permitindo releituras de metodologias e sistemas de avaliação até então adotados.

Há uma pequena estória que pode ilustrar muito bem esta situação. Certa vez um rapaz, recém casado, foi pescar com amigos e conseguiu fisgar um grande peixe. Orgulhoso dirigiu-se para casa e solicitou a esposa que o fizesse assado, ansioso em ver seu troféu exposto na mesa de refeições. No momento de saborear o peixe decepcionou-se ao ver que a esposa havia cortado a cabeça e a cauda, reduzindo-o consideravelmente e lançando fora partes que gostaria de comer. Ao ser questionada a esposa respondeu que aprendera a fazer o peixe com sua mãe e não sabia as razões de se cortar a cabeça e a cauda. Indignado o moço procurou a sogra que lhe explicou também desconhecer o motivo, pois aprendera com sua mãe. O rapaz e a moça foram então até a casa da avó a fim de esclarecer tal enigma. A senhora sorriu e disse: “É que quando me casei, tínhamos apenas uma assadeira muito pequena e como o peixe não cabia inteiro eu cortava a cabeça e a cauda”.

Em nossas práticas escolares muitas vezes o fato se repete. Não existe uma prévia intenção de causar danos, nem de se realizar um trabalho sem profundidade, o que existe é a repetição de conceitos, ideias e paradigmas em que insistimos cultuar, muitas vezes sem saber por quê, despreocupados de como ocorre a aprendizagem, como se estruturam nossos pensamentos, o que fazemos com a informação que recebemos enquanto olhamos ao professor que expõe sua aula.

Assim urge um trabalho sistematizado que de um lado se identifiquem causas e por outro aponte caminhos, viáveis e exequíveis, para a prática cotidiana do ensinar e aprender.

Quando tratamos do ensinar e do aprender, ambos não se encontram, necessariamente interligados. O docente adentra a sala, muitas vezes com a aula a seu entender muito bem elaborada, explica, fala, comenta, argumenta, expõe, insiste e chega à sala dos professores altamente realizado pela brilhante aula ministrada. Tal entusiasmo se dilui drasticamente após uma prova escrita, por exemplo. Ele estava tão ansioso na busca do ensinar que se esqueceu do laço com o aprender. E o laço se alarga ainda mais quando pensamos do processo de recuperação.

Nosso processo de ensinar, nada mais é do que um contínuo processo de aprendizagem. O educador de hoje está modelando um novo processo educacional. Está revendo formas, descobrindo cores, recuperando valores, talhando uma maneira inusitada de ensinar amparado pelas novas bases dos mecanismos de se aprender. 

Podemos citar como extremamente atual uma das sábias frases de Confúcio ”o que eu ouço, eu esqueço; o que eu vejo, eu lembro; o que eu faço, eu aprendo”. Talvez as duas pontas que estejamos tentando unir, com tantas dificuldades, estejamos segurando em nossas mãos.

Acesse:


CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções