sábado, 18 de fevereiro de 2012

OLHO POR OLHO




A poderosa Jaloux Mascobe estava em franca expansão. Voltada para tecnologias em informática gradualmente conquistava mais espaços, mais caminhos e oportunidades. Uma das filiais da empresa que mostrava seu potencial estava localizada em pequena cidade do interior de Mato Grosso, tornando-se referência regional e esgotando a tentativa dos competidores em superá-la. As conquistas estavam também relacionadas ao seu gerente, Alziro Freitas. Dinâmico, despojado e destemido não media esforços para que a empresa se evidenciasse em qualidade e ampliasse seus domínios por todo Estado. A dedicação e comprometimento de Alziro chamou a atenção do presidente da empresa levando a um convite para que ele participasse da implantação de outra filial a ser instalada em Keelung, uma cidade portuária em Taiwan. As negociações haviam avançado e Alziro apresentava o perfil que poderia dar a nova empresa a dimensão que necessitava. Bastava a concordância do gerente.

O convite bambeou as pernas de Alziro. Por instantes emudeceu sem perspectivas. Seria uma mudança radical. Deixaria um ambiente que conhecia e dominava para aventurar-se aos desafios de um novo país, nova cultura, língua, contatos, casa. Um recomeço inesperado, após tantos que vivera. Ao longo de sua vida percebeu que era conduzido por ciclos muito bem definidos levando-o a reiniciar periodicamente, embora em continuidade ao construído até então. Não conseguia fixar-se. Uma amiga dizia que era filho de Oxóssi, mas Alziro era uma pessoa que não conseguia ceder ao transcedental. Era prático, analítico e fruto de um materialismo-dialético que o convertera na faculdade. Não que fosse ateu, essa questão não entrava em suas reflexões. Talvez houvesse realmente uma força superior que conduzisse tudo, mas logo era contagiado por novas descobertas científicas que colocavam em cheque o mito da criação e se encantava com o Big Bang, buracos negros e universos paralelos. Apesar do impacto inicial avaliou a beleza do desafio. Embora indeciso e ainda preso às rotinas e projetos da filial em Mato Grosso, Taiwan o chamava de inúmeras maneiras.

Outro problema gerado por seu repentino deslocamento para aquela ilha asiática seria a definição de um novo gerente. Considerando as decisões inesperadas não havia alguém efetivamente preparado. Reuniões com a presidência levantaram vários nomes, buscando-se apontar um profissional que revelasse a competência e dinamismo de Alziro e mantivesse a “Mascobinha”, como era chamada internamente, no patamar que conquistara. Contudo, paralelamente às avaliações da equipe diretora da empresa, no âmago da filial olhos começaram a crescer com a possibilidade da gerência. Uma das mais interessadas chamava-se Belinda. Belinda, em teutônico, significa “bela serpente”. Por influência ou não do nome assim se revelava. Havia começado como operária no chão de fábrica. Ardilosamente, puxando um e outro tapete, começou sua escalada. Aos poucos aproximou-se da diretoria da empresa. Sempre hábil em manipular pessoas e fazer-se de vítima conquistava pessoas apelando pela comiseração. Certa de assumir a gerência iniciou seus contatos na ânsia de reformular a equipe apressou-se em realizar acordos e prometer cargos, buscando assim fortalecer a aceitação das pessoas.

Belinda era uma pessoa assídua, mas com pouca produtividade, capaz de executar algumas ordens, embora sem iniciativa, compromisso e liderança (maquiada por grupos de fofoca, as chamadas “panelinhas”). Com baixa auto-estima, insegura e frustrada, em especial, em razão de variados insucessos amorosos, muitas vezes garantia o mínimo de carinho e atenção através de inserção de novos funcionários na empresa com o preço de algumas horas de prazer. O fato era conhecido e produzia sentimentos contraditórios nas pessoas que oscilavam entre pena e compaixão. Tinha pouco domínio do trabalho, garantindo-se com a distribuição de tarefas entre outros empregados de seu setor. Vivia também indecisa com relação aos próprios sentimentos. No mural em sua sala conferiam-se passeios e fotos em barzinhos com a devotada e apaixonada amiga Braiana.

A bomba eclodiu quando a presidência da Jaloux Mascobe anunciou o novo gerente. O escolhido havia sido Teçá. Teçá atuava na administração da empresa, mas não ansiava ocupar lugares de mais destaque. Para ele não havia horário de trabalho, doando-se para o sucesso da empresa. Era atencioso e íntegro, características estas que mobilizaram os diretores a convidá-lo. Para Belinda a indicação caíra como um raio. Como se justificaria perante as pessoas que já havia estabelecido tantos acordos ? Assumiu a postura de vitima, traída e enganada. Técnicas que costumeiramente usava para manter as pessoas sob seu domínio doentio.

Hábil em destilar venenos e semear discórdias tratou de começar a lançar uma e outra pitada de maldade que percorria em sua veias, trazendo certa compensação para sua alma infeliz e mal-amada.

Dentre as pessoas que utilizava como fantoches estava Zelenka. Zelenka acreditava fielmente em Belinda e tornara-se sua guardiã, defensora tenaz e mensageira. Apenas não percebia que se expunha enquanto sua amiga se mantinha oculta, segura e protegida, muitas vezes comentando o quanto Zelenka era descontrolada e merecedora de desatenção pública.

A primeira ação de Teçá foi separar Belinda e Zelenka, transferindo a funcionária para outro departamento. Sem as regalias que possuía e na impossibilidade de estar ao lado da indefesa Belinda, revoltou-se ao máximo, aproveitando-se de toda e qualquer oportunidade para denegrir a imagem de Teçá.

Zelenka não vacilou passando a encaminhar emails e cartas a diferentes setores da empresa, anonimamente, buscando atingir o alvo, com estórias inventadas entrecortadas de verdade para gerar dúvidas, incertezas e quem sabe fazer a presidência voltar atrás e reconhecer Belinda como a futura gerente. Dentre as promessas de Belinda estava em Zelenka ocupar seu lugar na empresa.

A insistência de Zelenka gerou algumas instabilidades, sendo Teçá chamado à portas fechadas, várias vezes para esclarecer fatos. Enquanto isso Belinda, Zelenka e seu esposo, e Euclides – um funcionário de confiança de Belinda, reuniam-se em barzinhos para celebrarem e confidenciarem os próximos passos que constituiriam a derrota final de Teçá.

Aos poucos Teça desgastou-se. Estava decepcionado, magoado e surpreso, pois nos diálogos com a presidência foi possível identificar as fontes emissoras de tais ocorrências. Motivado pela equipe diretora persistiu.

O tempo rolou com uma ou outra injetada de veneno por parte de Belinda, sempre utilizando-se de subterfúgios, pois jamais “daria a cara para bater”, deveria preservar sua imagem de inocência diante da situação.

Certa tarde, Belinda procurou Teçá apavorada. Residia com a irmã e dois sobrinhos, um de dois e outro de cinco anos. Havia recebido uma ligação que fosse para o hospital pois o sobrinho mais novo havia sido internado com convulsões. Após alguns dias internado e não sendo identificada a causa o menino foi levado a óbito. Não haviam passado quinze dias quando o outro sobrinho foi atropelado e faleceu. Belinda começava entrar em desequilíbrio.

Sua irmã, Gorete, entrou em depressão, pensando diariamente em suicídio. O fato foi agravado com o marido ficar desempregado. Belinda receava que o telefone tocasse informando que a irmã tivesse posto termo a sua vida. Emagrecia a olhos vistos. Tonturas, vômitos e fortes dores de cabeça, antes interpretadas como ansiedade e tensão diante do que passara agora a levava ao médico.

A força destrutiva havia atingido também Zelenka. Um acidente automobilístico a conduziu para a UTI. A colisão danificara sua coluna. Estava paraplégica.

Teçá adentrou sua casa já tarde da noite. Deixou a maleta sobre o sofá e descalço desceu ao quintal onde podia-se ver um poço, uma grande jaqueira e uma cabana de sapé. Na cabana percebia-se um grande pote de barro, lanças de ferro e um boneco de barro imantado com sangue, penas e pelos de animais. Ali ajoelhou-se e reverenciou a entidade representada e cultuada. Arrancou da imagem de barro uma faca pontiaguda onde em sua ponta fulguravam as fotos de Belinda e Zelenka. Estavam dominadas. Sorriu relembrando sua visita a cada uma delas desejando saúde e paz. A paz viria brevemente, pois o silêncio das sepulturas iria aliviá-las, mas a saúde se extinguiria dia-a-dia.

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções