domingo, 13 de novembro de 2011

AAJ BEH – O ÍDOLO DE PEDRA




             As máquinas cavavam incansáveis o terreno onde seria construída a praça. Estavam previstas muitas árvores, inclusive frutíferas, um coreto para apresentações, bancos e uma academia ao ar livre e pistas para corrida, e outras destinadas a passeios ciclísticos. Era de grandes proporções e ousada. Pela primeira vez um gestor público olhava para aquele bairro, que embora o mais antigo da cidade, ainda permanecia semi-abandonado com ruas esburacadas e falta de infra-estrutura. A cidade crescera e os políticos se sucederam buscando garantir sua parte naquele latifúndio, despreocupados com a população, apesar dos embates jornalísticos, seja nas rádios, seja nos jornais, disseminando sempre inverdades visando sua eleição ou reeleição.

            As obras em determinado momento paralisaram. Um ataúde indígena havia sido localizado, quase que totalmente conservado. Dentro dele além dos restos mortais de um homem adulto, havia um pedaço de gnaisse de forma retangular com diversas inscrições e um ídolo do mesmo material, representando uma figura antropomorfa. A descoberta era desconcertante, não exatamente pelo ataúde, pois outros já haviam sido encontrados, mas a pedra esculpida e o ídolo revolucionavam a história e a visão que se tinha dos indígenas desde a colonização portuguesa e perpetuada pelos padres da Companhia de Jesus ressaltando a importância de educar e moralizar os silvícolas, caracterizando-os como ignorantes, sem alma, sem religião, com objetivos claramente exploratórios e de subordinação.
            Em pouco tempo a cidade viu-se projetada na mídia, inclusive internacionalmente. Era um achado de valor inestimável para a cultura (agora os indígenas a tinham!). Gustavo e Adolfo, pesquisadores e estudiosos da cultura indígena, buscando resgatar a vida, a história e a dignidade dos reais donos daquelas terras, passaram a dedicar seus dias e noites para decifrarem o enigma das inscrições na pedra. Entendiam a possibilidade de ser um mapa, embora não pudessem estabelecer referências sobre isso.  

            A obsessão de Adolfo superava a fome, a sede e o cansaço. Quando dormia sonhava com o ídolo. Nos sonhos ele se levantava e quando o fazia mostrava-se um forte e destemido guerreiro mochica. Transtornado pelas visões que o inquietavam, decidiu embarcar para o Peru e visitar Chan Chan. Entre as ruínas meditou, entregou-se ao Deus Sol, realizou antigas oferendas, aquietou-se para uma conexão com os antepassados. Por diversas vezes acreditou ter visualizado o ídolo em pé ao seu lado, olhando-o fixamente e apontando para o norte, mostrava-se porém de carne e osso, belo e altivo.

            A viagem não trouxe, aparentemente, grandes informações apesar de possíveis similaridades. O fato é que aquela figura passou a apresentar-se a ela a qualquer momento, fosse em casa, no trabalho ou em determinados lugares em que se distanciava para descansar. Algo mais intenso ainda acontecia, ele desejava aqueles momentos. Esperava que ele aparecesse. Chamou-o de Aaj Beh.

            Adolfo foi tomando a frente do projeto, enquanto Gustavo se distanciava atraído por outros trabalhos que surgiram e que demonstravam maior possibilidade de êxito. A tábua de gnaisse parecia clarear, apontando para estranhas rotas. O Piauí foi uma das descobertas. Decidiu fazer um passeio por alguns pontos começando por São Thomé das Letras, em Minas Gerais, depois a Toca da Esperança na Bahia, a Serra da Capivara no Piauí, os municípios de Itapetim, Afogados da Ingazeira e Carnaíba em Pernambuco, e a Pedra Lavrada do Ingá na Paraíba. Havia um mundo a ser explorado.


            Henrique e Adolfo aceitaram o desafio de criar uma rota. Estavam juntos já há onze anos. Henrique havia estudado Geografia e sua ajuda seria primordial. Haviam incríveis coincidências sobrepondo o mapa que percorreriam e as informações contidas na pedra, apesar de que outros símbolos geravam dúvidas se estavam certos. Nas visões que Adolfo tinha e que sucediam a aparição de Aaj Beh apontava cenas das aldeias e rituais dos mais diversos, incluindo uma data em que muitas tribos se reuniam para venerar o ídolo.

            Esses rituais em alguns momentos assemelhavam-se aos dos mochicas, onde após as bebidas, como a chicha, entregavam-se a uma série de orgias, ou o cauim dos indígenas brasileiros. Uma tormenta de idéias sacudia a mente de Adolfo, cada vez mais concentrado no assunto. Às visões das orgias, misturavam-se cenas de sacrifício onde o sangue alimentava o ídolo. E ele conduzia os xamãs a uma viagem a outros mundos e faixas vibratórias em que ensinava o uso das ervas, das pedras, das danças e sons na cura e no transe para que tivessem distintos poderes. Através destas viagens alguns eram capazes de conversar com espíritos que habitavam a floresta e até se transformarem em animais como a onça, o jacaré, a sucuri ou o mutum.


            Um livro caiu nas mãos de Adolfo : “Viagem ao Desconhecido – Os segredos da Pedra do Ingá”, de Gilvan de Brito. A coincidência do livro em suas mãos demarcava outra fronteira: caminhava para o lugar certo. As conexões existiam. Estava lendo o livro em uma praça enquanto estava em Itapetim e um ancião aproximou-se. Demonstrava-se exausto pela idade que se arrastava, as rugas marcavam dolorosamente a face de alguém que um dia gozara de plena saúde e vitalidade. Mostrava claramente sua descendência indígena.

            Sentou-se ao lado sem cerimônias fumando um cigarro de palha, talvez misturado com outras ervas, pois espalhava um odor amadeirado misturado ao fumo. Olhou Adolfo demoradamente envolto na fumaça.

            - Sei que não está só...comentou o índio olhando para o chão como se pudesse atravessá-lo a qualquer momento.

            - É... estou com uma amigo meu, mas ele preferiu ficar no hotel para descansar um pouco...disse ressabiado, sem entender por que estava sendo observado pelo velho índio.

            - Hum...resmungou parecendo pensar, falo daquele que te segue...

            Adolfo começou a sentir os músculos tremerem. Realmente aquele homem sabia mais.

            - O senhor pode vê-lo também ? Há momentos em que penso estar ficando louco...revelou, quase que pedindo ajuda.

            - Tá vendo lá em cima ? Aquela árvore ? Hoje quando escurecer vou encontrar o senhor lá...determinou o índio sem mais explicações.

            Levantou-se e seguiu vagarosamente apesar de Adolfo tentar insistir em maiores esclarecimentos. Voltou ansioso e extasiado ao hotel. Henrique o advertiu para não ir, não conhecia o lugar, não conhecia o homem, não sabia o que poderia acontecer. Uma discussão emergiu somente extinguindo por parte de Henrique revelando suas preocupações e pedindo que tomasse cuidado.

            Empunhando uma lanterna, Adolfo seguiu a trilha que levava para a grande árvore. Permaneceu solitário por um bom tempo, ouvindo os ruídos da mata escura, o pio das aves e controlando o medo. O velho índio surgiu do nada como uma aparição, levando Adolfo a um incontido grito. O homem fez um gesto para que o seguisse. Havia uma aldeia ocupando uma clareira na mata e vários homens tão velhos quanto ele estavam sentados em círculo ao redor de uma fogueira. Foi convidado a sentar-se em um espaço com um simples indicar de dedos. Sentou-se, tomaram uma bebida de milho, depois fumaram. Embora Adolfo não tivesse fumado, a fumaça os odores e os cantos monótonos o levaram a um estranho torpor. Os homens falavam com ele e ele entendia, mas não conseguia comandar seu lado racional.


            De repente o velho índio apresentou-lhe o ídolo. Assustou-se. Era o mesmo. Um objeto sagrado, preservado há pelo menos três mil anos, oriundo de civilizações ainda mais antigas. A aproximação do ídolo em sua testa o fez sair em uma viagem astral onde viu Aaj Beh e um portal de luz se abriu.


               O ídolo tornara-se uma machadinha de pedra para acertar o crânio da pessoa a ser sacrificada em sua honra. Adolfo foi banhado com sangue e depois lavado com ervas sagradas preparadas pelos feiticeiros.

            Adolfo despertou em sua cama no hotel, sem saber como chegara lá. Henrique roncava em sono profundo. Era hora de retornar, nada mais havia a se fazer ali. Devolveria o ídolo ao Museu e ali deveria permanecer. No Museu estaria preservado e não cairia em mãos indevidas. O ídolo abria um perigoso portal, caminho que poucos teriam condições de adentrar e percorrer. Ele, no entanto, tornara-se um xamã, conhecia, agora, o segredo, esse segredo, porém, morreria com ele.   


              Olhando o mapa de gnaisse percebia que ele parava ali, exatamente naquela clareira onde sua vida tomara um novo rumo. Estava em uma outra faixa vibratória, com percepções extrafísicas que com raras pessoas poderia comungar. 

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções