sábado, 5 de novembro de 2011

O CASTELO DO URUÇÚ




           A land rover de Caio parou na estreita faixa para estacionamento na rodovia adentrando um pouco junto à grama que crescia livre. O lugar era afastado e a noite ia alta, sem lua e sem estrelas, vultos negros de árvores envoltas em cipós adornavam a paisagem. Uma coruja piava protegida pela escuridão. Ficou inseguro com a aproximação da moça junto à janela do carro. Era muito bonita, com os cabelos louros escorridos ao redor do rosto, olhos castanhos, lábios grossos, usava um vestido que mais se assemelhava a uma camisola de cetim ocre. Imediatamente os hormônios de Caio fervilharam, deveria ser uma prostituta, somente alguém com esse propósito permaneceria na rodovia deserta. Olhou em volta tentando identificar uma casa próxima, uma luz acesa talvez indicando presença humana nas proximidades, mas visualizou apenas a noite.
            - Precisa de carona, moça?, adiantou-se, entre entusiasmado e curioso, olhando para os seios da moça, que mantinha um olhar tímido e acanhado.
            A loura apenas fez sinal de sim com a cabeça, olhando para o chão.
            - Entra aí!, mandou ele sorrindo no canto dos lábios, já imaginando o que aconteceria em breve.
            Caio tinha vinte e dois anos, filho de um empresário muito bem sucedido no ramo de produtos de limpeza. Tinha uma vida tranqüila. Filho unido, desfrutava de todas as regalias e mimos que os pais pudessem proporcionar. Sempre fora um aluno pouco dedicado, empurrado ano a ano mais por influência da família do que por suas conquistas. Aprendera apenas a usufruir a vida, namoradas, boa mesada, carro à disposição. Iniciara a faculdade de Administração e abandonara. Odiava ler, ter que pensar, acreditando poder negociar cada nota, trabalho, e irritando-se quando não tinha certos caprichos realizados. Os amigos se aproximavam como abelhas, no intento de participar dos lugares que freqüentava e poder anunciar orgulhosos que eram amigos de Caio Isidro Leitão.
            A moça acomodou-se quieta no banco ao seu lado, ajeitando cuidadosamente o vestido, cobrindo os joelhos. Manteve-se com a cabeça baixa.
            - Como você se chama? Mora por aqui?, questionou olhando-a, buscando puxar conversa.
            A pergunta seguiu-se de longo silêncio. O que levou o moço a interrogá-la novamente com a mesma pergunta, já levemente irritado.
            -  Meu nome é Lavínia, moro em Pinheiro Seco.
            - Não conheço esse lugar, vou passar por Vila Flores, estou indo para Nova Prata. A menos que a gente pare aí próximo a algum pinheiro, se você quiser. Eu gostaria muito!, insinuou ele tentando abrir espaço para um tema mais picante.
            - Não sei desses lugares... acho que estou perdida...confidenciou Lavínia, tremendo e chorando de dar pena.
            - Olha, moça, eu parei o carro achando que você queria outra coisa. Não faço idéia onde fica esse lugar que você falou. Vou te deixar ali na entrada da cidade, aí você se informa, procura a polícia e alguém te ajuda – resmungou friamente, freando o carro ao avistar o primeiro poste de luz da cidade.
            A moça olhou-o com ódio, sentiu-se rejeitada diante da impiedade do moço. Tocou-o de leve com os dedos muito gelados e sorriu, olhando-o profundamente nos olhos.
            - Um dia você estará como eu, sem saber para onde ir e não terá um ombro amigo para se abrigar... disse, saindo e batendo a porta.
            - Ah, vá jogar praga na sua mãe, ainda te dei carona, sua infeliz, devia ter deixado você onde estava – saiu derrapando os pneus, irritado.
            Ao chegar a sua cidade, parou diante do Bar do Mathias e pediu uma cerveja. Como que atraída pelos odores de Caio, não demorou para que Ivânia aparecesse com os propósitos que ansiava.
            A imagem de Lavínia permanecia em sua mente por mais que tentasse dissolvê-la. Acordava a noite com pesadelos estranhos. Algumas vezes desperta dando chutes pois sonhara que Lavínia, montada em um cavalo, em cima da cama o observava maliciosamente. Outras vezes via-se andando em corredores como labirintos quando Lavínia surgia do nada para pegá-lo, de maneira assustadora. Outras vezes parecia despertar no meio da madrugada tendo a moça sentada ao lado de sua cama chacoalhando-o e pedindo que a levasse para Pinheiro Seco.
            Caio passou a apresentar um comportamento irrequieto, assustado, nervoso e distante, algumas vezes, como se desligasse da tomada. Otília, sua mãe, preocupou-se procurando dialogar com o filho na busca de encontrar as causas. Acreditava ser o rompimento com alguma garota, apenas se admirava pois Caio nunca se ligara a ninguém, usando e abusando de sua beleza e corpo bem torneado. Otília também estava sofrendo. Apesar de toda vida confortável mantinha uma vida de aparências com o marido que, como Caio, não se cansava de viver aventuras fugazes. Os desprazeres, a tristeza, as decepções e a superficialidade em que vivia gerou-lhe um mau físico que a consumia gradativamente. Variando entre remédios e estados de depressão não via mais sentido na vida. Caio estava criado, poderia viver sem ela.
            Semanas transcorreram até que a empregada divisou-a estendida sobre a cama desacordada. Tinha uma expressão terrível no rosto. Já era tarde.
            A morte da mãe descontrolou  Caio que deu maior vazão às drogas. Aos poucos sua agressividade foi ampliada, gerando brigas constantes nas ruas, sempre amparado pelo pai e seus dedicados advogados.
            Certa tarde, chegou cauteloso em casa. Rosa, a empregada, estava arrumando a cama de Caio. Ele a jogou sobre a cama e a violentou, exigindo silêncio ou ela seria mandada embora sem direito a nada. E avisou que isso aconteceria sempre que ele quisesse e como ele quisesse. Insensível às súplicas e lágrimas da mulher a cada dia exigia os maiores abusos.
            Rosa tinha dois filhos pequenos e seu marido estava desempregado, precisava daquele emprego. Há muito tempo na casa e sendo de confiança do Dr. Adolpho, assim o pai de Caio exigia ser chamado, gozava de certos benefícios e de um ótimo salário. As ações de Caio, porém a minavam dia-a-dia, o que foi rapidamente detectado pelo marido, Camilo. Após meses, Rosa não agüentando mais revelou aos prantos o que vinha acontecendo. Revoltado o marido determinou que ela pedisse as contas e que ele se acertaria com o “filhinho de papai”. Assim Rosa fez, embora implorando que não se sujasse por aquele rapaz. O pai dele era influente e a corda estouraria para o lado mais fraco.
            Escondido na penumbra, Camilo aguardou o retorno de Caio de suas noitadas. Ele teria que abrir o portão da mansão. A luz da land rover anunciou que se aproximava. Desceu visivelmente bêbado ou drogado. Ágil e movido por intenso ódio, Camilo aproximou-se e enfiou-lhe uma faca no abdômen. Ao vê-lo cair, disparou rua abaixo enrolando a faça banhada de sangue em um lenço.
            Juntamente com Rosa e os filhos, Camilo fugiram-se para Anta Gorda, onde vivia a mãe da esposa.
            Caio foi hospitalizado. A recuperação foi lenta e exigiu muitos cuidados. Já era um milagre ter sobrevivido. Estando o filho envolvido com drogas e sem pistas do autor, Dr, Adolpho achou por bem definir o acontecido como um assalto. Recuperado, contudo, o moço afundou-se ainda mais no submundo das drogas, agora com mais pesadas.
            Tendo um nome a zelar na cidade, Dr. Adolpho decidiu internar o filho. O local escolhido foi o temido Castelo do Uruçú. O antigo castelo funcionava como clínica, caríssima, e era voltada para atender rapazes que haviam “se perdido”. Na clínica, pais ricos internavam seus filhos drogados, bêbados, homossexuais e todos aqueles que desejassem excluir do meio social, entendendo que seriam uma mancha nos nomes de suas tradicionais famílias.
            A decisão foi difícil, mas necessária no entender do poderoso homem de negócios. Provavelmente quando reencontrasse Caio, ele estaria socialmente aceitável.
            Na recepção, Caio recebeu uma saudação cordial de um rapaz de olhos alegres e muito vivos, simpático e receptivo. Recebeu o pagamento pelo seu ingresso e o conduziu para o interior do Castelo. Estava apreensivo, tenso, mas dominava-se, pois se determinara provar ao pai que daria a volta por cima. Seu orgulho estava gravemente ferido. Adentrou uma sala cinzenta e mal iluminada, com armários de madeira embutidos e aparentemente bem antigos. Não demorou para que uma porta se abrisse e dois homens mal encarados, feios qual carrancas, adentrassem. O mais velho, com cara de poucos amigos e grosseiro em seus modos, encarou-o:
            - Sou Dr. Cármino, sua estadia aqui terá a duração da mudança de seu comportamento. As regras são rígidas e inflexíveis. Não receamos usar métodos que venham acelerar o processo de recuperação. Este é Ferrão, ele vai estar de olho em você. Tenha certeza de que ele saberá tudo o que faz e agirá quando necessário. Agora dispa-se e o siga.
            -Não vou ficar aqui e não vou obedecer ordens, você deve saber quem sou...arriscou Caio, olhando o médico bem nos olhos.
            O médico sorriu sem demonstrar qualquer receio. Já estava saindo quando retornou e disse:
            - Aqui você não tem nome. Você será chamado de Beta26 e não se atreva não atender rapidamente. Agora vá com Ferrão para o seu quarto.
            Caio seguiu o enfermeiro pelos corredores escuros do Castelo até um cubículo com odor de mofo e grades nas portas. Dentro dele uma pequena janela muito alta e impossível de alcançar, uma cama de pedra com um colchonete fino e um travesseiro forrado de um tipo de nylon grosso e desgastado e um sanitário que mal o cabia.
            - Este é seu quarto, entre!, ordenou Ferrão.
            Caio sorriu indignado.
            - Meu pai não está pagando esta espelunca para eu ficar num lugar desse. Leve-me para outro lugar, quero um quarto decente agora !, gritou aproximando-se bruscamente e tentando agarrar o pescoço do enfermeiro.
            Caio saltou para trás, após receber uma forte picada na barriga e uma descarga elétrica.
            - Não me chamo Ferrão à toa. Entre agora em seu quarto ou já vai conhecer exatamente em que lugar está, falou o homem empurrando-o.
            Ao entardecer Ferrão foi buscá-lo. Abriu a grade e gritou: - Beta26, siga-me !     
            Caio chegou a um amplo espaço com chuveiros onde outros banhavam-se. A maioria apresentava um olhar desalentado, talvez dopados. Outros tinham algemas e correntes unindo os tornozelos. Uns bem poucos desfrutavam de aparente liberdade consciente. Recebeu uma toalha e um sabonete que mais parecia sabão caseiro.
            Enquanto se banhava aproximou-se um rapaz moreno, do grupo dos lúcidos, examinando seu corpo com o olhar.
            - Pode me emprestar o sabonete?, perguntou olhando-o com certa malícia.
            Ao entregar, o rapaz deixou-o cair e com a explanação “que pena, caiu”, ajoelhou-se muito próximo com intenções bem definidas.
            Caio agarrou-o pelo pescoço, desferindo vários socos e esbravejando dizendo que “só mulher fazia aquilo nele”. Imediatamente enfermeiros se aproximaram liderados por Ferrão e Caio caiu sonolento em razão de uma injeção com potente tranqüilizante.
            Despertou em uma cela coletiva com pelo menos oito homens de diferentes idades.
            - Vejam, nosso garoto está acordando...anunciou um deles.
            - Quer dizer que você surrou o Aníbal ? E vocês sabem por que? Por que ninguém faz aquilo com ele ! Só mulheres ! Mas aqui não tem mulher e o que fazemos então? , esbravejou outro.
            - Fique sabendo que aqui são todos iguais. Todos andam nus, não há distinção de roupa. Mudam os nossos nomes: sou Beta34, ele é Beta 45, ele é Beta69,  ele é Gama 14, ele é Gama 23, ele é Gama 78, ele é Fi2, ele é Fi8. A letra grega se altera mostrando o grau de liberdade de cada um. Quem chegar a Ômega fica livre e volta para casa. Tá entendendo em que posição você está ? Os Alfa ficam presos o tempo todo em suas celas...o mais velho explicou-lhe. Você é Beta26 porque o 26 antes de você sumiu, morreu, não agüentou aqui.
            - ...e você vai saber que aqui não se agride ninguém, e como castigo, disse o mais jovem sorrindo, você será nossa mulherzinha, enquanto a gente desejar...
            A vida de Caio tornou-se um inferno, andando nu arrastando correntes que uniam seus tornozelos e algemado com as mãos para trás, sendo apenas liberado para o banho e refeições. A cada agressão que produzia era sedado e recebia diferentes castigos como choques elétricos, câmara escura, um lugar repleto de sapos como um brejo artificial, além de surras com chicotes.
            A forte dependência o fazia ter alucinações e crises terríveis.
Aos poucos aquietou-se. Viu um rapaz ser zombado e obrigado a orar para um tal deus Cudumolo. Os enfermeiros assim agiram quando o viram pedir ajuda a Nossa Senhora. Com tapas no rosto dele disseram que ela não existia, que a crença dele era falsa e que Cudumolo era verdadeiro. Caio percebeu que o objetivo real não era levá-lo a cultuar esse deus que provavelmente nem existia, mas inferiorizá-lo e fazê-lo perder gradualmente qualquer referência: sem nome, sem religião, sem família.
 A atividade no Castelo era intensa: os internos cuidavam da limpeza, da horta, da avicultura e suinocultura, estavam sempre envoltos em atividades. Um espaço, como uma capela para Cudumolo, permanecia reservada para que as pessoas perdessem suas crenças pessoais, seus valores e assim descaracterizavam-se a si mesmas, adentrando um mundo sem raízes e sem lembranças.
Todos os abusos e violência contida naquele lugar aos poucos tornava a pessoa vazia. Quem chegava a Ômega e raros os que conseguiam deixavam o Castelo completamente submissos, robotizados, inúteis e assim eram devolvidos ocupando os espaços Alfa, isolados, abandonados e mortos vivos.
Somente depois de muito tempo, anos talvez, é que Caio submeteu-se a um diálogo com Dr. Cármino. Estava aterrorizado com as visões que tinha de Lavínia, sempre caminhando ao seu lado onde quer que fosse. Relatou a carona que dera a moça e tudo o que acontecera, inclusive a morte de sua mãe.
Dr. Cármino, bastante surpreso, disse que Pinheiro Seco era o antigo nome de Vila Flores. Caio não acreditou. Entendeu que talvez já soubesse disso e o encontro com Lavínia tivesse sido alguma alucinação, fruto das drogas que usava. Aproveitou a presença do médico e perguntou se já não era o momento de sair, não sentia mais a necessidade da droga. Estava calmo e já auxiliava em diversos serviços no Castelo.
O médico sorriu, simulando tristeza, e revelou que Adolpho perdera toda a fortuna com mulheres. Há meses não acertava as mensalidades. Havia desaparecido, ninguém conseguia localizá-lo, talvez tivesse sido assassinado.
A impossibilidade de voltar para casa e a idéia de estar pobre fizeram renascer a fúria e a violência em Caio, levando Ferrão a aplicar-lhe choques elétricos. As doses, porém, excederam-se e Beta26 passou a portar-se como um robô, permanecendo sentado diante de uma grande janela gradada que dava para o pátio interno do Castelo.
Com andar cauteloso, Lavínia aproximou-se e disse-lhe que voltaria para a estrada. Precisava pegar uma carona que a levasse para Pinheiro Seco.
Mensalmente, Dr. Cármino recebia vultuosas somas para manter Caio ali, sob absoluto controle do Castelo.
Caio estava só, sem um ombro amigo em que pudesse se escorar. Uma lágrima pesada escorreu-lhe pela face amargurada.   
                                                                                                                                                                      

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções