domingo, 27 de janeiro de 2013

Educar o Coração: princípio e desafio para uma sociedade melhor





“Deus não impôs aos ignorantes a obrigação de aprender, sem antes ter tomado dos que sabem, o juramento de ensinar. (Da sabedoria oriental).

A tecnologia se desenvolve celeremente surpreendendo-nos com possibilidades antes inconcebíveis. Desde Graham Bell ou Antonio Meucci nos idos de 1856 com a criação do telettrofono, ou a primeira exibição da televisão em terras brasileiras no ano de 1939, e ainda em 1990 com o lançamento do celular no Rio de Janeiro avançamos assustadoramente. Quem pode comparar hoje o primeiro modelo de celular e os atuais que circulam nas mãos de milhões de pessoas? Vem então notebooks, tablets, smartphones vinculando-se à vida cotidiana, englobando lazer e atividades profissionais. As coisas com certeza não vão parar por aí, apresentando situações desafiadoras e inconcebíveis. No tempo em que se entregavam mensagens em pergaminhos seria inimaginável que um dia o recado à cavalo chegaria instantaneamente via email.

As descobertas envolvendo o espaço sideral e o nosso mundo seja com relação às origens dos planetas e sistemas solares, seja com a possibilidade de vida em tantos outros planetas, traduzem-se de maneira assombrosa a cada nova sonda que vasculha o espaço e telescópios potentes que avançam muito além das estrelas mais próximas.

Outros ramos do conhecimento como a biologia, a química, a psicologia, a antropologia, dentre outras ciências rasgam véus que ocultavam em seu seio conceitos e preconceitos fecundados pela ignorância. Não podemos mais queimar mulheres alucinadas como bruxas apenas por terem saboreado pães de trigo ou centeio já embolorados e de cujo fungo demoníaco emergiu a dietilamida do ácido lisérgico ou, mais comumente chamado, o LSD. 

Após situações devastadoras como o massacre da noite de São Bartolomeu, as Cruzadas, os Campos de Concentração Nazistas, a escravização dos povos africanos e outras que passam despercebidas, embora fatais, como a colonização das terras brasileiras dizimando populações indígenas utilizando-se dos mais diferentes recursos para a disseminação de doenças e extermínio com armas de fogo, sem citarmos a morte da alma com a diluição da cultura, das crenças e religião de diferentes povos.

A questão do ensinar é algo complexo, pois nos impele a reproduzir em sala de aula o que acreditamos. Na fala de Erick Cerqueira: “não há imparcialidade se há opinião”. E, em geral, temos opinião. Temos nossas próprias crenças, fomos educados de determinada maneira, cultivamos determinados valores que se revelam espontaneamente através de nossa fala, de nossos gestos, de nosso olhar. Aceitar o outro, com suas diferenças, algumas vezes se traduz em um complicador. Há formas diferentes de se ver e interpretar o mundo. E de repente todas estas pessoas estão reunidas em um mesmo espaço denominado sala de aula. Apesar de todo desenvolvimento tecnológico que nos conecta com o mundo ainda somos prisioneiros de nós mesmos e do que nos foi ensinado pelos familiares ou que intuímos experenciando a vida. Apesar de toda potencialidade da internet ainda vagamos apenas por chats e redes sociais na busca da superficialidade, pois firmar o pé em um terreno tão amplo gera receio e responsabilidade.

Lemos pouco e interpretamos muito menos o que lemos, isso nos torna presas fáceis daqueles que leem algumas linhas a mais e são capazes de nos dominar através de frases feitas e de impacto. Basta observar que a mídia pode nos fazer amar ou detestar alguém ou algo com extrema facilidade. E como aprendemos por imitação, fazemos o que a maioria faz. Isso tem implicações importantes: nos mantém aceitos no grupo e evitamos polêmicas e contradições que podem colocar em cheque o que nós próprios acreditamos!

Nessa perspectiva somos muito propensos a repetirmos situações históricas assinaladas neste texto, além de outras que podem ser facilmente encontradas quando nos voltamos para o passado da humanidade. Há um provérbio árabe que nos conta, com propriedade: “tudo o que acontece uma vez pode nunca mais acontecer, mas tudo o que acontece duas vezes, acontecerá certamente uma terceira”.

Quando pensamos em um mundo melhor e isso volta e meia vem à tona, conclamando especialmente os jovens para esta tarefa, entendo que se faça mister o estudo aprofundado da História de maneira interdisciplinar, ou seja, analisando todas as influências da geografia, da economia, da política, criando a teia em que vivemos. Há sempre um efeito dominó em uma descoberta e há sempre um interesse político ou econômico conduzindo as regras de certo e errado que comandam os povos. Alicerçados no passado, construindo o presente é possível projetar um futuro melhor.”Todas as flores do futuro estão contidas na semente do hoje”, diz um provérbio chinês. Não podemos, contudo, esperar uma mudança no amanhã sem que o jovem tenha conhecimento e subsídios para interferir na realidade, caso assim se faça necessário.

E o que devemos ensinar, então? Evidentemente há informações e conhecimentos diversos a serem apresentados. Constituem a base para que o aluno construa o seu próprio conhecimento e possa gerar outros. Mas quando mergulhamos na História e novamente emergimos trazemos em nosso fôlego determinados valores. Estes valores desabrocham em conceitos de respeito e compreensão. Respeito a todas as pessoas, a todas as criaturas, respeito ao lugar em que se vive. Com respeito se compreende hábitos, crenças, religiões, diferenças. Isso implica em assumir as próprias ações e ser responsável pelo seu sucesso ou insucesso pessoal (seja lá qual for o seu conceito pessoal de sucesso).

Apesar do belo conceito “pensar globalmente e agir localmente” utilizado por Ulrich Beck, ainda temos um caminho a percorrer para que esse pensamento se materialize em prática. Recorro mais uma vez a um provérbio chinês: “se você quer manter limpa a sua cidade, comece varrendo diante de sua casa”. A construção dessa teoria e a concretização da prática exige rever alguns modelos que utilizamos em Educação. Na maioria das vezes o ensinar se traduz pobremente na confecção de um cartaz ou na criação de uma norma que passa a integrar o Regimento Escolar sem maiores consequências. Aprendemos a ser bons teóricos. De certa forma, induzidos a isso graças a estrutura do sistema escolar que gradualmente nos entorpeceu.

A Deliberação CEE n.º 77/2008, assim se expressa em seu artigo 2º: “são componentes curriculares obrigatórios, segundo a legislação federal em vigor, a serem desenvolvidos nos termos das orientações contidas na Indicação CEE nº 77/2008, que integra a presente Deliberação:

I) Língua Portuguesa;
II) Matemática;
III) Conhecimento do mundo físico e natural;
IV) Conhecimento da realidade social, especialmente a do Brasil;
V) Arte;
VI) Música;
VII) Educação Física;
VIII) História do Brasil;
IX) Língua Estrangeira Moderna;
X) Espanhol;
XI) História da África e dos Africanos;
XII) História da cultura e etnias, principalmente das matrizes indígena, africana e européia;
XIII) Educação Ambiental;
XIV) Filosofia e Sociologia;
XV) Direito da Criança e do Adolescente;
XVI) Conhecimentos sobre o processo de envelhecimento.

Penso nessa estrutura na modalidade integral para que cada uma das propostas possa ser efetivamente trabalhada e não maquiada com um número sofrível de horas aula insuficientes para o desenvolvimento de um trabalho que propicie a construção do conhecimento pelo aluno. Torna-se bastante fácil que todas essas propostas se tornem teóricas e desnecessárias como ocorre em diversas disciplinas hoje presentes no currículo escolar, considerando a impossibilidade de aprofundamento e tempo para que o estudante realmente se aproprie do que está sendo ministrado pelo professor.

A proposta se apresenta, à princípio, com um propósito de desenvolvimento de determinados valores associados a conhecimentos que estruturam nossa vida cotidiana, as inter-relações que estabelecemos. Faltam ainda mecanismos para descompartimentalizarem os conteúdos. Talvez a presença de projetos bem planejados e docentes bem preparados permitam uma valiosa revolução na Educação. Importante dizer que estou falando em um currículo que se construa com os componentes curriculares explicitados no artigo 2º dissolvendo toda organização curricular hoje adotada.

Vejo que este é um tema que deve mobilizar educadores, propondo um novo olhar sobre a estrutura curricular e o aluno que a escola se propõe formar. 

“Cérebros brilhantes também podem produzir grandes sofrimentos. É preciso educar os corações” (Dalai Lama)

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções