quarta-feira, 22 de junho de 2011

ECOS DO PASSADO


Isso já faz muito tempo, ainda nem era uma cidade. Era apenas um povoado inserido no meio do mato, com uma estradinha de terra, onde a eletricidade ainda não tinha chegado e as noites eram alumiadas com lamparinas de querosene. Tempo em que se criavam galinhas à porta de casa, tempo em que a palavra era tudo.
Na casinha rústica de Seu Agenor e Dona Guiomar havia tranqüilidade. Na época em que se casaram ela tinha catorze anos e ele vinte e dois. Doze filhos. Muito trabalho para construírem a casinha onde moravam, arar a terra, carpir o mato, rachar a lenha. Tudo feito, porém, sem reclamações. A vida era assim. Reclamar seria um desrespeito, deveriam agradecer. Criaram os filhos, tinham seus netos, quase já os bisnetos. Esse era o ciclo das coisas.
Dona Guiomar era uma mulher de fibra, muito forte, diziam que era bugre. Cuidava de tudo com mão de ferro, sem muitas palavras, “a vida era dura mesmo” – essa era sua máxima. Ninguém fazia corpo mole com ela, tinham que aprender a viver, enfrentar as adversidades; chegava dando ordens e arrumando tarefa pra todo mundo. Taluda, de olhar firme, impunha medo só de se aproximar.
Seu marido, Agenor, era mais franzinho, sempre de chapéu na cabeça e cigarro de palha. De cara fechada, sério, nunca o viram sorrir, falava uma só vez e o recado estava dado. Ninguém arriscava contradizer. O almoço, muitas vezes reunindo quase trinta pessoas, era o mais profundo silêncio. Não admitia qualquer palavra durante as refeições. Era desrespeito. Até os pequenos se calavam.
Havia uma estória que circulava sobre Agenor. Algo que o fazia ainda mais temido, pelos familiares e no povoado. Quando chegava lá com sua charrete, muitos se benziam, e era tratado com reverência. Mesmo o padre, Monsenhor Alonzo Beno, o tratava com cisma. Embora não fosse de igreja, entrava, tirava o chapéu, ajoelhava junto ao Santíssimo Sacramento, rezava e saía. Tinha, contudo, batizado todos os seus filhos e netos. A preocupação com o batizado era evitar que um de seus filhos se tornasse um lobisomem ou mula sem cabeça. Também deveriam se casar com pessoas batizadas. De qualquer forma, tal maldição não havia recaído sobre a família, sendo todas pessoas honestas e trabalhadoras.
Conta-se que tudo aconteceu quando Seu Agenor e Dona Guiomar receberam as terras onde residem como presente de seu pai, Antão. Antão havia sido próspero, dono de muitas terras, mas acabou perdendo quase tudo em razão de jogos de baralho.
Quando cavava para a construção do poço, Agenor encontrou um baú muito bem decorado, de madeira maciça, trancada a chave. Ficou intrigado com sua descoberta. Tentou abri-la, mas percebeu que para conhecer o conteúdo da mesma teria que usar o machado, ao mesmo tempo em que se condoia por destruir artefato tão belo. A curiosidade venceu a contemplação. Arrebentou-a. Estupefato viu dentro dela um tubo, também de madeira, com uma tampa de rosca. Dizem que ao arrebentar a caixa o céu escureceu e tudo pareceu noite. Saíram até as estrelas, ludibriadas pela escuridão. O galo cantou três vezes e ouviu-se um uivo, quase congelante, que fez as pessoas do povoado estremecerem. Arrepiado e trêmulo, Agenor ajoelhou, rogando a Deus que o amparasse, pois percebeu que mexia com algo perigoso.
Passado um tempo, o sol voltou a brilhar. Agenor ficou segurando o cilindro um certo tempo, olhando-o, duvidando se deveria ou não abri-lo, mas mais uma vez a curiosidade foi mais forte. Rodou a tampa. Um vendaval parecia anunciar a mais feroz tempestade. Um areião subiu ao céu, que novamente escureceu. Agenor ia correr para junto de umas árvores quando ficou imobilizado diante de uma figura assustadora. Era um demônio que se apresentou com o nome de Alastor. Disse que sua missão era a vingança de um crime que acontecera naquele lugar. Anunciou que o sangue voltaria a correr naquela terra, mas Agenor receberia seu tesouro por tê-lo libertado.
Em um redemoinho o demônio desapareceu, deixando Agenor emudecido. A partir daquele dia coisas estranhas começaram acontecer. Alastor aparecia a Agenor todas as noites, exatamente a meia-noite, despertando-o num chacoalhão que o lançava fora da cama. A cada noite seguia feito um sonâmbulo para junto a uma enorme figueira próxima a casa e lá falava quase até o amanhecer. Não se lembrava do que dizia e não demonstrava sinais de cansaço.
Aos poucos Agenor enriqueceu. Adquiriu mais terras. Tornou-se conhecido e admirado. Uma das vezes em que despertou acocorado junto a figueira deparou-se com o corpo ensangüentado do pai. Ao seu lado o facão utilizado para por fim a vida do homem. Ainda consciente Antão revelou-lhe:
- É verdade, Agenor...matei Tuca Caju para ficar com essas terras. Agora são suas, mas ele voltou pra se vingar...
Depois desse dia, Alastor não mais perturbou o sono de Agenor. Desapareceu. As noites seriam ocupadas com a presença de Tuca Caju.
Tuca Caju era um homem valente, diziam ter o corpo fechado. Andava com um revólver na cintura e não levava desaforo para casa, matava ali mesmo. Andava com um cavalo branco para cima e para baixo, mal encarado e sempre envolvido em encrencas. Falavam que tinha o corpo fechado por ter vendido a alma ao diabo. O diabo lhe contava onde se escondiam seus inimigos e o que devia fazer para ficar com as posses deles.
Em uma noite de lua negra o diabo teria aparecido para ele e instruído a confeccionar a caixa. Disse que Antão tentaria matá-lo, mas isso o tornaria invulnerável, que nada temesse. Após talhar o baú, Tuca Caju abasteceu seu revólver e dirigiu-se a casa de Antão. Sem encontrá-lo, correu a cidade em busca de seu oponente. Descobriu-o em um puteiro que ficava no meio da estrada. Estava jogando cartas. Discutiram. Saíram da casa aos socos. Tiros e Tuca foi atingido. Ferido subiu em seu cavalo e buscou o baú. Precisava enterrá-lo, conforme devidamente instruído.
Morreu sobre a cova. Acharam-no muito tempo depois já consumido quase totalmente. Antão assumiu as terras como dívida de jogo.
Inconformado, Agenor debruçou-se sobre o corpo do próprio pai. Um peso que carregaria para o resto da vida.
Ao enterrá-lo no cemitério do povoado viu nitidamente Tuca Caju rindo muito recostado ao cruzeiro. Maus dias viriam. As noites eram envoltas em ruídos espantosos, os cachorros irriquietos, latindo muito, as galinhas assustadas. Algumas vezes viam-se marcas de passos de botas ao redor da casa. Outras vezes batiam violentamente na porta e nas janelas.
No auge do desespero, Guiomar procurou Bernardino, um famoso benzedor da região. Se ele não pudesse resolver, mais ninguém conseguiria. Ele benzia colocando um copo d´água na cabeça da pessoa. Aí era capaz de ler o que a água dizia. Repetiu o processo três vezes.
- Você vai tomar o chá das folhas que vou te dar durante quatro semanas. Aí você volta aqui. Dê a seu marido beber junto com você. Toda noite antes de dormir.
Assim Guiomar procedeu apesar dos protestos do marido. Um mês depois retornou. Os estrondos e problemas noturnos haviam diminuído. Bernardino descreveu a casa, cômodo a cômodo, como se fosse capaz de se transportar para lá. Falou até mesmo de pensamentos íntimos dela. Benzeu-a.
- Você vai embuchar...coloque o nome em seu filho de Salustiano. Pegue o umbigo dele e enterre junto a figueira perto de sua casa. Reze o terço todo dia, por treze dias.
Depois que Guiomar engravidou de seu primeiro filho os ruídos cessaram completamente. Quando o menino estava com treze dias sonhou que um homem a abraçava chorando e a chamava de mãe. Ao descrevê-lo para Agenor descobriu ser Tuca Caju. Mais surpresos ainda ficaram ao descobrirem que o nome de Tuca era Salustiano. Aquela criança que agora embalavam seria Tuca ?
O menino cresceu. Tinha o gênio forte, mas a disciplina de Agenor o domou. Depois dele vieram outros. Oito homens e quatro mulheres.
Em uma noite tempestuosa, Alastor voltou a chamar Agenor. Trazia consigo um pergaminho. Furou o dedo com um espinho de joá-bravo e assinou com seu próprio sangue. Era o pacto ! Depois daquele dia tudo seria possível para ele.
Há quem conte que foi assassinado por Salustiano, mas ninguém pode provar isso.    

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções