domingo, 5 de junho de 2011

O LAGO DA MORTE


Final de tarde. O sol mergulha em tons amarelados no horizonte. Alguns grupos de pássaros alçam um vôo barulhento buscando um lugar para se refugiarem durante a noite que se aproxima. Tadeu recolhe o bocó com uns poucos peixes que recolheu do lago não muito distante de sua casa. Esse era o seu ritual desde que aposentara. Passava as tardes com sua vara nas mãos, umas minhocas que arrancava do quintal e a serenidade do lugar. O vôo da garça, alguns patos selvagens e seu espaço debaixo do grande pé de jambolão.
Seguindo o ritmo que adotara para sua vida, chegou em casa, escamou e limpou os peixes. Poucos peixes. De uns dias para cá os peixes haviam começado a rarear. Outros apareceram boiando no rio, mortos. Judite o censurava. Podiam ter alguma contaminação, lá saía o esgoto da cidade. Mas Tadeu sorria das intervenções da esposa. Sentia, dessa forma, que ela se preocupava com ele. Então, não se desgastava. Ela, por fim, fritava os peixes e ainda levava uma cerveja gelada enquanto ele se acomodava na mesinha velha no fundo do quintal. Lá se deleitava com seu cachorro Zico, o gato angorá Tito e o jaboti Sapoti. O quintal era repleto de plantas. Um chuchuzeiro, hortinhas, pés de abóbora e folhagens onde Sapoti se escondia.
Todos os animais esperavam a chegada de Tadeu, pois sabiam que seriam presenteados com os peixes. Era sempre uma festa.
Nos dias seguintes, Tadeu começou a sentir-se com mais vitalidade. Sentia-se bem disposto, alegre, como se tivesse rejuvenescendo. Cada dia, parecia mais jovial. Brincava dizendo que nem quando era moço tinha tanta disposição. Cada dia inventava uma coisa, plantava uma determinada fruta, fazia uma nova horta semeando legumes, estava irriquieto. Judite sorria olhando-o da janela, pensando que outras surpresas a aguardariam no dia seguinte.
Com o passar dos meses percebia-se que rejuvenescia também fisicamente. A pele mais lisa, maior agilidade, o olhar azul parecia reviver nos tons de outrora. A esposa atenta notou que o mesmo estava acontecendo com seus animais de estimação. Olhava-se no espelho em busca de sinais nela mesma, mas não encontrava. Guardou suas cismas consigo mesma para que não a julgassem louca. Seus filhos, Linda, Lourdes e Osmar notaram a agitação paterna, mas apenas o consideraram saudável e bem disposto. Os netinhos eram a farra dos avós, consumindo toda a atenção.
Certa manhã o casal foi acordado com palmas no portão. Era Lando, filho de Carlão, seu amigo diário de pescaria. Estava morto ! Correram até a casa dele e ficaram surpresos com a descrição lamentosa dos filhos. Havia se deitado e fora encontrado ao amanhecer com o corpo seco, como que mumificado. Narraram que ele vinha demonstrando uma vitalidade sem igual, parecendo até mais jovem e do nada o acharam daquele jeito. Estava no hospital.
O assunto explodiu na imprensa e os médicos não conseguiam um diagnóstico plausível. As carnes pareciam ter sido consumidas por natrão, seguindo os costumes dos antigos egípcios para mumificação. Porém, tudo havia acontecido entre às vinte horas e seis horas da manhã.
Após dias, sem qualquer progresso, o corpo foi liberado e enterrado. Boatos começaram a circular na cidade sobre o castigo que Carlão recebera pelas maldades que fizera com a esposa e os filhos, as farras com as amantes e as noites de folia. Outros falavam da maldição dos gatos que havia sacrificado por simples prazer.
A fala popular logo precisou de outras explicações, pois “Seu Warte”, como era chamado, foi encontrado na cama pela manhã da mesma forma que Carlão. Estava seco feito uma bucha de tomar banho. Outra grande confusão na cidadezinha de São Filiberto das Três Cruzes, bem no pé da serra, desmarcada dos mapas e aterrorizada pelos acontecimentos sobrenaturais.
Por tempos, não havia qualquer assunto em qualquer rodinha de amigos. Dois aposentados mortos de maneira misteriosa. Havia quem comentasse que as esposas dos dois falecidos tinham procurado ajuda de Dona Romana, que vivia no alto da serra e era temida por todos por ter feito pacto com o demônio.
Mas não demorou para que Niniana, esposa do “Seu Warte” também fosse achada deitada na rede como um maracujá seco.
O mal rondava aquele lugar. Foi uma sucessão de homens, mulheres e crianças. Oito ao todo nos três meses seguintes.
Tadeu sentou-se em seu costumeiro lugar de pescaria com os olhos lacrimosos. Lembrava-se de seus companheiros, reunindo-se cada um a um canto e compartilhando os dias. Subitamente arregalou os olhos como se visualizasse algo aterrador. Percebeu uma estranha associação das mortes. Todos os mortos tinham sido pescadores, esposas deles, netos ou filhos deles. A causa não estaria nos peixes? Estaria ele também correndo risco? Levantou-se ágil e procurou a equipe de pesquisadores que havia chegado na cidade, atraídos pelas mortes estranhas.
Tentou em vão conversar com as pessoas. Pareciam intocáveis, disse que sabia o que estava acontecendo mas somente revelaria a eles. Desesperado procurou o jornal local na ânsia de conseguir falar com aquelas pessoas. Zeca Farpa, dono do jornal, passou a insistir nesse encontro, afinal seria um incrível furo de reportagem.
Retornou a casa inconformado e temeroso. Eram os peixes. Se dormisse poderia não acordar, ele poderia ser o próximo. Não quis confidenciar a mulher para não afligi-la. Passou a noite acordado, levantando-se a todo momento, resistindo às investidas do sono.
Sentou-se no sofá. Alguém bateu palmas no portão. Judite correu para atender. Era Zeca Farpa e disse ter conseguido algo muito importante e precisava falar com o Tadeu. Ouviu-se apenas o grito de Judite. Tadeu estava seco no sofá. Em sua mão segurava um peixe ainda fresco.
As pesquisas se intensificaram no lago, sendo realizadas análises na água e peixes. Uma estranha bactéria demonstrou, em experimentos, ser capaz de absorver complemente os líquidos corporais de ratos. O mesmo poderia ter acontecido com as pessoas que consumiram os peixes. Por segurança o lago foi drenado. Mas a verdadeira causa de todas as mortes permanecia oculta, imersa na lama no fundo do extinto lago, aguardando as chuvas para emergir.

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções