sábado, 2 de julho de 2011

VIDA E MORTE DE EDNAIR


De nihilo nihil. (Lucrécio)

O vento rodopiava uma folhinha seca e amarelada, junto com grãos de poeira próximo ao portão de entrada da velha casa. A pintura há tempos não era renovada, fazendo prevalecer as marcas do tempo, com manchas escuras contracenando com as cores originais. O chão de terra batida circundava a casa rodeada de algumas plantas que provavelmente nasceram, cresceram e se mantém sozinhas. No quintal sobravam quinquilharias amontoadas que fariam a felicidade de qualquer ferro-velho. Dois cães, de raça indefinível, emagrecidos, faziam a guarda da casa de maneira displicente, largados a um canto presos a uma corrente curta e sem muitas opções para se protegerem do sol escaldante.
Ednair casou-se muito cedo, num arranjo familiar, empurrando-a para um dos amigos de seu pai. Cabelos revoltos, um falar fanho e grandes quadris, de alguma maneira reproduzia a maneira de ser de sua mãe, embora cultivasse em seu íntimo uma mágoa muito grande por ter sido obrigada àquele casamento. Definitivamente não gostava dele. Disseram que o amor vinha depois, mas passados tantos anos ele ainda não havia chegado. Talvez se distraído com outras coisas pelo caminho. Em sua mocidade era entusiasmada pelo seu vizinho, Ademar. Belo e pomposo, de mesma idade que ela. Sabendo os horários em que ele passava indo ao trabalho, ao almoço, o retorno ao trabalho, a volta do trabalho...lá estava Ednair na janela ou no portão, fingindo estar esperando alguém, que não era ele. Ele passava e às vezes cumprimentava. Quando isso acontecia um tufo de felicidade a inundava. Ademar estava engraçado com Leonor, do fim da rua. Sortuda. Ele certamente a beijava e esse pensamento corroia o sossego da moça.
Quando se casaram, Ademar estava com trinta e dois anos e Ednair, 14. Até então era um solteirão trancafiado na casa dos pais, saindo apenas para trabalhar. Casaram-se virgens. Um homem pacato, que não bebia, nem fumava. De acordo com os conceitos e a percepção de seus pais e dos pais de Ednair era um homem honesto, trabalhador e precisava se casar. Todo homem precisava se casar, antes que chegasse a velhice. Precisava ter uma esposa e filhos que cuidassem dele, quando assim precisasse. Envergonhado foi apresentado a futura esposa. Não demorou para o casório. Com as economias de Ademar foi comprada a casa onde residiam.
Primeiro nasceu Ordália, depois Sebastiana e por fim Amadeu. Os pais de Ednair achavam que deveriam ter mais filhos. Quem sabe nasceriam outros meninos, somente eles poderiam perpetuar o nome da família. Mas Ednair e Ademar não quiseram. Faziam sexo para terem filhos, não fariam mais. Os pais de Ademar tiveram óbitos sucessivos, primeiro morreu Zenaide, a mãe, e dois meses depois foi a vez de Nicanor, o pai. Com a morte dos pais, sua tia Hermelinda, que morava com eles foi transferida para a casa de Ademar.
Hermelinda em algum momento surtou. Passou a não falar coisa com coisa. Dizia falar com os santos e a cada dia trazia notícias deles. Era comum surpreendê-la com longos papos na sala de estar com São Francisco de Assis, Santo Antonio, Santo Expedito e outros. Ia à missa religiosamente, confessava, comungava e seguia procissões.
Ajeitaram o quarto para Hermelinda junto com os filhos. Uma cama a mais. Aperta aqui e ali e estava devidamente instalada. O problema é que despertava no meio da noite e se levantava para acordar Ademar com notícias de algum santo. Com o tempo tudo se tornou corriqueiro. Acostumaram-se. Assustavam quando não havia mensagens.
Enquanto o vento rodopiava na entrada da casa, Ordália revelava que estava grávida. Tinha pegado cria de um tal João Catira, homem de fama nada boa e que havia feito mal a outras moças. Definitivamente não prestava. Ordália se engraçou e foi levada no bico. Agora a família estava envergonhada. Ademar chorou desconsolado. Ednair deu-lhe alguns tapas no rosto e rezou-lhe um sermão. Mas de qualquer forma a semente estava plantava e iria crescer, seguindo o curso natural das coisas. Ednair queria que Ademar fosse falar com o folgado do João Catira. Ademar esbravejou, pegou um facão, amaldiçoou o homem e se trancou no quarto. Alguns meses e Ordália paria. Nasceu um menino. Puseram o nome de Manuel, por sugestão do médico, Dr. Plínio, que atendia a família a qualquer hora, sendo quase um santo para Ednair. O pai dele se chamava Manuel.
Enfim, Manuel cresceu cuidado por todos, em especial por Sebastiana. Faltavam alguns parafusos em Sebastiana, mas ela adotou o menino como se fosse seu. Parecia uma macaca carregando o menino para cima e para baixo, tendo-o agarrado em si.
Nesse ponto da estória, precisamos falar um pouco de Amadeu. Amadeu era dono de uma loucura inteligente. Passou a escrever para o jornal da cidade e era dono de posições radicais. Dizia-se de esquerda e cultivava consigo conceitos revolucionários. Ele sabia como tornar o mundo melhor. Questionava a distribuição de renda, os privilégios, a elite. Criava versos quase satânicos para os políticos locais. Sem dúvida era uma pedra no sapato. Somente não era pior por que sua loucura algumas vezes despontava com vigor e delirava em posicionamentos inexeqüíveis.
A segunda gravidez de Ordália trouxe Jacy Lua. Era filha de um advogado da cidade, Dr. Carmelo. Ele não quis se casar, mas passou a enviar mensalmente dinheiro para cuidar da menina. O nome foi sugestão dele mesmo. Acompanhou o parto e batizou com seu sobrenome.
Enquanto Manuel vivia aos cantos com essa ou aquela garota, Jacy Lua tornou-se poetisa. Escrevia versos magníficos.
Um dia Ednair acordou morta. Amanheceu, o sol raiou, o cachorro latiu e ednair não se moveu. Acorreram-se todos. Chamaram Dr. Plínio. Alguma coisa tinha parado, certamente o coração. Ademar estava desconsolado. Homem não podia viver sem mulher, seu pai lhe tinha ensinado isso. Onde poderia arrumar outra ?
Três anos depois ele se encorajou e conversou com Dona Maria Tristeza, dona de um botequinho. Também sozinha e viúva. Começaram a se ver um dia, outro e logo Dona Tristeza estava na sua casa e sua cama. Ednair estava morta e não se importaria. No finados receberia as devidas flores.
Dona Tristeza pôs ordem na casa, apesar do tsunami que representava. Pôs Ordália para trabalhar no boteco, Sebastiana cuidava da casa e a ajudava na preparação da comida. Tornaram-se boas amigas. Amadeu foi para a capital tentar a vida e colocar seus projetos políticos e ideológicos em funcionamento. Arrumou encrenca com Manuel arrumando emprego para ele. Jacy Lua foi estudar. Via nela um grande futuro. Escrevia coisas lindas. Nas noites, Jacy Lua lia suas poesias para ela e Maria Tristeza chorava, emocionada. Enquanto isso Hermelinda resmungava com os vizinhos, no auge de seu desvario, que ninguém tratava dela, que passava fome e frio.
Mas Maria Tristeza não queria filhos, mas queria Ademar. Ele foi claramente convocado a exercer suas funções de marido, que extrapolavam a questão de trazer dinheiro para o lar. Os domingos eram festivos, reunindo os filhos de Ademar e os filhos de Maria Tristeza. Cinco filhos, já com netos. Até os cachorros foram soltos.   
Enquanto o vento rodopiava uma folhinha seca e amarelada, a vida seguia agora com a ponta firme de Maria Tristeza. Doce e dura. Nordestina. Firme que nem rapadura.
Na formatura de Jacy Lua, Maria Tristeza estava empetecada, parecia a dona da festa. Chorava abraçada a Ademar, que também se debulhava em lágrimas. Nesse dia Amadeu tinha sido preso, mas nada abalou a comemoração.
Ao abraçá-la comovida, Hermelinda lhe diz:
- São José mandou dar-lhe os parabéns ! Disse que a Ednair também está muito feliz, que ela entende que na vida tudo tem seu momento e sua importância. Ela teve o dela, agora é sua vez, até chegar sua filha Morena Flor...

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções