domingo, 22 de maio de 2011

A EXPLOSÃO


"Tudo é o mesmo, as coisas sempre são" (Pirahãs)

A densa e úmida floresta parecia silenciosa, cortada apenas pelo som de alguns tuins e a batida persistente de algum pica-pau. Há meses homens trabalhavam imersos no verde que emoldurava todo o ambiente, alguns se espremiam nas cabanas dominados pela febre. A malária aos poucos derrubava os trabalhadores da mina. A distância da cidade os mantinha isolados e se algo não fosse feito com urgência os garimpeiros estariam todos mortos. Fernão, acompanhado por mais quatro homens, decidiram buscar ajuda dos hiaitsiihi, apesar das animosidades geradas pela exploração das esmeraldas. Batfi iria acompanhá-los, pois era o único que conseguia se comunicar com a tribo. Batfi estava com eles há vários meses, ajudando-os, havia se identificado muito com Fernão e não se desgrudava dele. Fernão o criara desde pequenino. Havia o encontrado abraçado à mãe, morta por algum explorador. Agora já entrava na adolescência. Era da tribo kanamarí.
Após dias exaustivos, mediante a resistência em receber os garimpeiros, Batfi conseguiu contato. Explicou o que estava acontecendo, precisava de ajuda, em troca dariam a eles algumas armas. Não tardou para que um homem muito velho chegasse até a cabana onde se acotovelavam os homens doentes. Serviu-lhes um chá e orientou Batfi que continuasse cuidando deles dessa forma. Retirou-se leve como a onça desaparecendo na mata.
Aos poucos os homens se recuperaram e voltaram ao trabalho. A exploração das esmeraldas exigia um trabalho árduo de todos, problemas como a escuridão das minas, calor, umidade, falta de espaço, exposição a gases tóxicos, poeira e o próprio trabalho físico minavam as forças na mesma intensidade que a própria malária.
As semanas seguiam na rotina das atividades nas minas. As pupilas de Fernão cintilavam de satisfação vendo as belas pedras extraídas. Em sua rede traçava os planos de seu futuro. De natureza luxuriosa e violenta arrancava o couro dos trabalhadores, nem sempre metaforicamente, sendo temido por onde passava. Com ele não havia explicações, tudo deveria acontecer e se desenvolver conforme ele ordenava, não admitindo qualquer falha. Seus objetivos políticos fervilhavam em sua mente, articulando cada movimento e mantendo em suas mãos homens importantes. Através de seus homens conseguia adentrar nos bastidores ocultos da vida dos senhores, e com essas informações negociava pela escada que ampliaria seu domínio e influência.
Um de seus informantes era Foly, magro, cabelos armados e olhar matreiro, lábios grossos, macho quando precisava, não temendo enfiar a faca, que trazia na cintura, no bucho de algum desavisado. Era fêmea a maior parte do tempo, nos conceitos dos rudes garimpeiros. Durante a noite visitava as cabanas, satisfazendo a si e aos homens, ao mesmo tempo em que sabia de cada segredo e cada pensamento dos subordinados de Fernão. Em troca tinha sempre uma bela esmeralda para sua coleção.
Fernão também tinha a proteção de dois homens atentos: Boaventura e Tiro Certo, homens de bons reflexos, ágeis, cruéis e que mantinham a ordem no lugar. Qualquer tentativa de reação a uma ordem de Fernão, tentativa de fuga, rebelião ou se apropriar de algo a mais do que deveria.
Em uma das noites, Foly visitando Trajano descobriu que este acumulava belas pedras em uma saquinho de couro junto aos genitais. Ao meio dia, momento em que todos pararam para um almoço frugal, Trajano foi agarrado pelos homens de Fernão. Diante de todos foi despido e as esmeraldas apresentadas. Um longo discurso de Fernão, sorriso irônico e Trajano foi capado. Aproximando-se do riacho repleto de piranhas lançou para alimentação das mesmas o que extraíra de seu esperto trabalhador. Tiro Certo terminou o serviço com um tiro na testa.
A madrugada seguia alta quando todos foram agitados por um estrondo. Alguns venceram o medo e entraram na floresta em fuga, outros encolheram-se em suas cabanas apavorados, outros morreram dentro da mina. Os sonhos de Fernão estavam comprometidos, uma explosão comprometera os trabalhos.
Despreocupado com os mortos, na manhã seguinte, Fernão seguiu para a cidade em busca de materiais e equipamentos, em companhia de Batfi e seus dois cães de guarda. A exploração não seria cancelada. Deixou em seu lugar Amadeu, um homem de sua confiança, da mesma índole e que iria garantir que os trabalhos na fossem interrompidos. Os garimpeiros, porém, tinham outros planos. Naquela noite, Cícero recebeu a visita de Foly. Todos sabiam que Cícero era um líder no local. Cícero mostrou-se amoroso e receptivo, carinhoso arrancou a roupa de Foly, passando suas mãos ásperas pelo corpo liso do rapaz. E quando o possuía, entraram na cabana mais três homens. Era o plano. Foly foi espancado violentamente, até que Cícero o degolou.
Instantaneamente, todos se dirigiram a cabana de Amadeu. Os guarda-costas não puderam protegê-lo. Amadeu foi amarrado, os corpos de Foly, dos guarda-costas e mais treze garimpeiros foram jogados dentro da cabana e incendiada. De posse de esmeraldas enterradas ao lado das cabanas e outros locais em que vinham fazendo sua provisão, os homens com tochas fugiram para a mata.
Fernão e seus homens chegaram doze dias depois. A paisagem era avassaladora. O homem vociferou alto e agressivo, amaldiçoando os garimpeiros e jurando que mataria um a um onde estivessem. Dirigiu-se a mina, bloqueada e escura. Dentro dela estavam adormecidas reluzentes esmeraldas. Elas o chamavam. Precisaria de homens para trabalharem. Ordenou que Boaventura fosse em busca e que não retornasse ali sem eles.
Três semanas e Fernão levantou-se da cadeira de balanço interessado no vozerio que se aproximava. Levando à rigor as ordens do patrão, Boaventura retornava com dezesseis homens, sete deles haviam fugido na noite do massacre. Mal se aproximaram e lançaram-se aos pés de Fernão pedindo clemência. O poderoso senhor mostrou-se piedoso, pedindo que se levantassem, se alimentassem, descansassem e retornassem ao trabalho.
A exploração recomeçava. A explosão expusera esmeraldas ainda mais belas. Os homens sorriam e festejavam. Fernão olhava sorrindo com os olhos, satisfeito e coçando as mãos esperando a fortuna que se aproximava.
Batfi trouxe a ele, logo ao crepúsculo, uma pedra do tamanho de um côco, esverdeada e tendo dentro dela como que água. Era belíssima. Naquela noite, Fernão dormiu abraçado com ela, em contemplação.
Fernão, ao amanhecer, chamou a todos. Disse terem sido abençoados e que cada um seria beneficiado com a fartura. Desembrulhando de um lenço, a pedra brilhou aos raios do sol. Todos ficaram boquiabertos. Falou sobre a deusa Umina, senhora das esmeraldas, e pediu que todos a reverenciassem, pois ela traria abundância àquele acampamento. Todos se ajoelharam silenciosos, exceto Juvenaldo, Rui e Jovenildo, que se mantiveram em pé. Fernão os questionou sobre o motivo pelo qual não aceitavam as bênçãos da riqueza. Responderam que apenas Jesus merecia que se ajoelhassem.
Fernão não questionou. Pediu que todos se dedicassem, pois a partir daquele dia se tornariam ricos. Os garimpeiros se revitalizaram, entregando-se ao trabalho com entusiasmo nunca visto antes.
Batfi foi chamado na cabana de Fernão. Conversaram por horas.
No outro dia, pela manhã, todos foram novamente reunidos para adorar Umina, a bela pedra esverdeada. Fernão saldou a todos enfatizando o quanto haviam produzido no dia anterior. Todos comemoravam o que haviam encontrado, sem se darem conta de que a produção havia sido a mesma que de dias anteriores, a diferença é que agora valorizavam cada pedra, e Fernão recolhia apenas após juntarem e não na medida em que eram encontradas, mostrando a eles que as esmeraldas escorriam de suas mãos. Fernão passou a pedra para que cada um a beijasse, aproximando-os de sua deusa.
Estavam ausentes Juvenildo, Rui e Jovenildo. Fernão perguntou onde estavam, fazendo-se de preocupado. Peludo trouxe a notícia. Rui estava morto e os outros dois muito mal.
Fernão revelou que haviam insultado a deusa e ela, certamente, os castigava. Ao meio dia os três corpos foram enterrados. Todos ficaram chocados com as mortes repentinas e mais respeitosos com a deusa. O veneno que Batfi colocara na comida deles fizera seu efeito.
Os homens entregavam a Fernão uma quantidade cada vez maior de esmeraldas. Não havia mais violência, a deusa regia as ações dos homens.


Inspirado pela deusa, conforme declarou, Fernão inaugurou uma escola de alfabetização para os garimpeiros, batizando-a com o nome de um ancestral de família bem relacionada e que garantiria sua escalada social e influência nos setores políticos que desejava.
Naquele ano, Fernão tornou-se deputado, atingindo sua primeira meta.

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções