domingo, 8 de maio de 2011

A ILHA


Chegamos à Praia do Papagaio ao amanhecer. Já havíamos ouvido falar muito daquele lugar, um Paraíso em Santa Catarina, por essa razão dispusemo-nos a mais uma aventura. Seguimos pegando carona de Bebedouro, no Estado de São Paulo, até nosso destino. Foram dias de frio, fome e alguns desencontros, situações por vezes complicadas, além das dificuldades para dormir. Chuva, sol, frio. Conhecemos pessoas gente boa e algumas que se esmeravam em humilhar e vomitar arrogância e má educação. Apesar dos momentos mais complicados, foi divertido. Meu amigo chama-se Horinando, nome nada comum e que dá margens à especulações e ironias, por isso o chamamos de Hórus, deus egípcio com cabeça de falcão, de alta importância naquela civilização.
Apenas para você conhecer alguns momentos de nossa viagem nos divertimos muito, em especial, quando diante do fato de não encontrarmos pousadas, buscávamo-nos o conforto de um motel, sob os olhares risonhos e maliciosos das atendentes. Também quando um senhor de uns sessenta anos estacionou o carro na rodovia ao nosso sinal e deparou-se com dois rapazes, de 21 e 22 anos, malhados e sorridentes. Foi ele que nos levou mais longe, mas exigiu o pagamento de maneira mais atrevida. Confesso que fizemos a alegria do velho. Houve também momentos de não encontrar carona e ter que se ajeitar embaixo de algumas pontes, comer salgados que estavam naquele boteco parado no tempo e que  provavelmente estivessem ali há meses, quase embalsamados. Conhecemos Camélia, em um prostíbulo isolado, perto de um brejo sem fim. Procuramos imaginar se haviam clientes. Exageradamente maquiada, já com seus quase setenta anos, que nos acolheu com doçura. Contou-nos de sua vida e lições preciosas, que um PhD em Psicologia precisaria aprender.
Estávamos controlando todo nosso dinheiro para desfrutar lá, o hotel estava reservado. E foi isso que fizemos. Ali éramos quase marajás, vivendo as pequenas coisas com intensidade. Momentos inesquecíveis.
Sendo fora de temporada, estávamos nós e mais umas poucas pessoas, permitindo curtir e explorar ainda mais. Tudo era nosso, estava ali para nós. Lá conhecemos duas garotas, Priscila e Lena, com as quais passamos a nos encontrar e traçar roteiros para conhecermos o lugar. À noite tínhamos a praia, o luar e as meninas.
Arriscamo-nos, nós quatro, a um passeio de escuna. O mar estava belíssimo...até avançarmos mais mar a dentro. O céu fechou-se, tornando-se da cor do carvão, as ondas elevaram-se tempestuosamente, havia chegado uma tempestade. Nosso capitão, Dorinho, avisou-nos que não poderíamos voltar para a praia enquanto ela perdurasse. Deveríamos colocar nossos coletes salva-vidas e aguardar. Não demorou para que as garotas e Hórus começassem a “esgoelar o mico”. Procurei olhar para o horizonte o que fez com que não me sentisse enjoado. Enquanto isso jogavam água do mar nos meus três amigos deitados e enfraquecidos.  Ondas cada vez maiores pareciam emergir do oceano. Comecei a temer o pior. Dorinho também mostrava-se apreensivo, aparentando que a tempestade não era normal.
Foi quando como num golpe, fomos arremessados ao outro lado da embarcação e ela virou, lançando-nos ao mar. Vi-me na cena do Titanic, com destroços espalhados e levados pelas ondas. A chuva, as ondas, o vento e eu não conseguia ver muito além de mim, comecei a gritar desesperadamente pelas outras pessoas e depois que me ajudassem. Apoei-me em uma grande placa de madeira e assim fui sendo tragado pelo mar, conduzido para onde ele desejava me levar.
Estava exausto, faminto e com muita sede. A tempestade havia parado e a noite estava estrelada. Não conseguia ver nada a não ser a escuridão que me cercava. Nenhuma luz a não ser das estrelas. A noite transcorreu entre cochilos e meu desespero que se acelerava cada vez mais. Se a noite estava difícil, pior foi o dia. O sol estava causticante. A sede aumentava. Apenas no meio dia uma chuvinha incidiu sobre o mar permitindo que eu matasse minha sede. Também encorajei-me e bebi minha própria urina. Temia a desidratação.
A noite retornou e o eu havia passado o dia sem me alimentar, estava trêmulo e enfraquecido. A lua estava grande, bela e prateada, comecei ouvir que uma voz feminina me chamava.
- Alexandre !...ouvi assustado olhando para os lados. Era uma voz doce, quase um cântico.
O mar continuava plácido. Silencioso.
- Alexandre !...outro chamado, mas não me sentia com forças para responder, apenas olhava. Meus músculos doíam, parecia perder a consciência de tempos em tempos...
Adormeci, apenas despertando quando a tábua pareceu bater em alguma coisa. Era areia, uma praia, levantei-me com esforço, mas feliz, sorrindo. Estava a salvo. Andei um tanto buscando reconhecer o local, ver alguma pessoa, alguma construção. Mas a mata nativa parecia dominar o lugar. Adentrei a mata e não foi preciso avançar muito para ouvir uma cachoeira. Entrei como estava, de roupa e tudo, em festa. Aos poucos despi-me, para sentir a água, sem perceber-me que as águas levavam minhas roupas.
Vi junto a um morro ao lado da cachoeira um pé de araçá, carregado de frutas. Deliciei-me. Andando ainda encontrei bananas e pitangas. Eram o suficiente naquele momento para matar a fome que me consumia.
Arrumei uma cama improvisada com algumas folhas de coqueiro e bananeira para adormecer. Não conseguia localizar minhas roupas, temia o frio da noite.
No dia seguinte consegui alguns mariscos.
Estava realmente sozinho naquele lugar. Algumas aves, o barulho das ondas. Chorei sentado em uma pedra olhando o horizonte. Talvez morresse ali, sem nunca ser encontrado. Hórus, Priscila, Lena, Dorinho...estariam todos mortos ?
Passei a caminhar pela praia, rodeando a ilha, em busca de algum indício, de um contato, almejava de todo coração encontrar uma pessoa. Contudo pude apenas me encontrar com um grimpeiro, um bicudinho-do-brejo, um corocochó, jacutingas e arapongas. O bom foi um ninho de uma pata. Engoli alguns ovos crus.
Aos poucos fui conhecendo o lugar e extraindo dele o suficiente para manter-me vivo. Meus gostos, luxos, restrições...cediam lugar a sobrevivência. De alguma forma conformei-me e adotei o lugar como lar, embora atento ao horizonte. Construí uma cabana entre quatro árvores estrategicamente nascidas como colunas. Resolvi entrar mais profundamente na mata. Havia um pico, um ponto mais alto, que eu ainda não tinha me arriscado a buscar, temia cobras e aranhas, um escorpião ou qualquer outro animal peçonhento. Aproveitando a manhã muito clara, atrevi-me ao desbravamento.
Logo ao meio da mata, no sopé do monte, uma gruta se mostrava após uma breve escalada. Antes da gruta, subi até o topo de onde podia-se ter uma vista deslumbrante de toda ilha. Um lugar encantado, com papagaios voando, o mar beijando a praia, o céu límpido. Sentei-me avaliando a beleza e potencialidades. Desci até a gruta.
Um lugar que poderia proteger-me das intempéries. Ampla, segura, confortável. Um lugar maravilhoso se não fossem três esqueletos demonstrando que três pessoas, pelo menos, já estiveram ali. Estavam petrificadas. Meu coração acelerou e tive ímpetos de sair correndo dali, mas eram apenas esqueletos, o lugar ainda era um refúgio para mim.
Após muitas tentativas consegui fazer fogo atritando duas pedras. A fogueira permitiu que eu assasse um pato. Sentia-me redescobrindo o mundo. Havia retornado à pré-história. Meus cabelos estavam se embaraçando e a barba e bigode cresciam.
Naquela noite, aquecido por minha lareira, despertei sendo observado por quatro figuras. Dois em pé, um acocorado e um sentado com as pernas cruzadas em posição de lótus. Recostei-me às rochas, assustado e temeroso, mudo, olhando as estranhas personagens que me fitavam.  O que estava mais próximo tinha os cabelos num tom ocre, longos e lisos, o peito bem definido, tinha uma serpente em seu pescoço, em seu pescoço também um colar com dentes, talvez de tubarão. Estavam todos despidos. O outro em pé, tinha botas de um couro cinzento e bem feita, no pescoço uma espécie de flauta, como a de Pã, os cabelos negros e bem curtos. O que estava acocorado tinha os cabelos longos, cacheados e acobreados, parecia ter o corpo todo tatuado no mesmo tom de cobre, barbas e bigodes assemelhando-se ao Volverine. Aquele que estava em posição de lótus parecia ter cascas, como a de um pinheiro, porém como se feitas de uma pele mais resistente, que ia dos pés até o ventre e reapareciam nos ombros, cotovelos e coluna. Os cabelos castanhos mesclados de um mel brilhante. Olhar muito penetrante e fixo.
Perguntei quem eram, o que desejavam...sem qualquer tipo de resposta, nem se entreolhavam, como tivessem certeza do que faziam ali, independentemente de minhas indagações. A flauta começou a tocar, num ritmo persistente e enfadonho, comecei a cochilar, apesar de minha insistência para que não acontecesse. Quando despertei senti que podia falar com eles. Ser ouvido e ser entendido.
O que tinha as pernas de casca de árvore chamava-se Vany, o da flauta de Pã, Veloy, o tatuado, Simos, e o da Serpente, Dan. Foi Dan quem me batizou com o nome de Kavengo. Todos comemoraram meu batismo com uma espécie de bebida altamente alcoólica que retiravam de jarros que estavam enterrados. Na noite somente se ouviam nossas gargalhadas e brindes em cuias de coco. De alguma forma e por alguma razão fui adotado.
Veloy cuidou para que eu recebesse uma pasta para passar nos cabelos, que os alisavam. Tomei um delicioso banho com uma espécie de sabão muito cheiroso e um outro creme fez com que meus pêlos caíssem, inclusive barba e bigode. Fiquei lisinho e perfumado. Aos poucos fui aprendendo suas tradições, seus costumes, sua relação mítica com a natureza.
Meus cabelos loiros ficaram brilhantes descendo até as costas, minha pele como leite de cabra, recebeu manchas levemente esverdeadas, pinceladas por Simos. Minhas orelhas ficaram pontudas e não me pergunte como fizeram isso...
Foi Vany quem me levou até as frutinhas que eu provara antes de entrar na gruta. Chamou-as de “uvas da serpente”. Disse-me que poderia saboreá-las à vontade, a partir de agora.
Na gruta, meu corpo jazia fitando as estalactites. Meu esqueleto se juntara aos outros, enquanto eu caminhava pela ilha com meus novos amigos.  


CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções