domingo, 1 de maio de 2011

O PRESENTE DE ANIVERSÁRIO


O choro do bebê ecoou pela sala. Médicos e enfermeiras agitadas entreolhavam-se amargurados e buscavam a todo custo ressuscitar o corpo inerte da mãe. Não foi possível salvá-la. Uma das moças acolheu a criança, franzina, pequena, pesando cerca de um quilo e seiscentos gramas. Nada poderia garantir que ele também iria sobreviver. Imediatamente foi adotado por todos. Batizaram-no com o nome de Tomé, que de acordo com o obstetra significa “nascido do mesmo parto”. Infelizmente o mesmo parto que o separara de sua mãe e o entregara nas mãos dessas devotadas pessoas.
A mãe vivia cambaleando pelas ruas, cabelos desgrenhados, negros e longos, sempre de xale e um vestido longo, sujo e rasgado. Era figura conhecida de todos, quase parte do folclore da cidade, de alguma forma era amada e ignorada por todos. Elza. Apenas Elza. Sem sobrenome. Sem origem. Sem família. Agora jazia, quieta, pálida, mas estranhamente serena, deixando ao mundo um pequeno ser, porém não mais solitário. Incrivelmente paparicado pelas enfermeiras do Hospital “Eurósia Fabris Barban”, em um pequeno município ladeado de morros e araucárias.
O pequeno Tomé enfrentava grandes dificuldades, lutando para a vida. Sua natureza franzina denunciava cada dia mais as possibilidades de que fosse vitorioso. Alguns acreditavam estar sofrendo do mal de simioto, outros previam doenças crônicas e que já o haviam condenado. Helena, a enfermeira chefe, via sua luz púrpura dourada, e sabia que ele iria resistir. Aproximou-o junto ao seu peito, orando para que suportasse tantas provações. Cada exame exigia que o sangue fosse extraído da moleira, não havia veias que pudessem colaborar para uma atuação médica mais eficiente. De alguma forma a fome o consumia. Naquela noite, Helena sonhou que estava entrando na maternidade quando deparou-se com uma mulher e bela e altiva que a interceptou segurando-a pelo braço e disse “ele passará por muitas provas, mas sobreviverá”. Percebeu, então, que aquela mulher era Elza. Despertou intrigada e aliviada ao mesmo tempo.
Aos poucos Tomé reagia. Chegava o momento também que se separariam dele. Algumas pessoas já haviam procurado o hospital para dotá-lo e tinham conseguido contornar a situação, mas o tempo se esgotava.
A manhã era clara e silenciosa quando um homem trancafiou-se no gabinete do diretor do hospital. Tomé iria embora. Lágrimas, choros, soluços, despedidas. O menino foi carregado até um carro negro, imenso e bem lustrado estacionado logo à entrada.
A partir daquele dia a vida de Tomé mudaria. A mansão era muito grande, cercada de jardins e fontes, muitas árvores frutíferas, pândanos e uma seleção incrível de espécimes. Era a residência de Almasor. Um homem rico, poderoso e influente, em certo ponto temido, que conseguia tudo o que desejava. As pessoas mais simples acreditavam que ele teria feito um pacto com o demônio e sabiam até o nome. Era Sabazios. Diziam que ele mantinha a mão do demônio logo na entrada de sua casa. Mas por alguma trama do destino, Tomé foi parar ao seus cuidados.
Tomé crescia saudável, sendo vez ou outra contagiado apenas pela gripe, mas logo se recuperava. Assustava a todos com sua cultura. O menino parecia dormir com os livros, dominando vários assuntos e destacando-se sobremaneira na escola. Não demorou para que começasse a colecionar medalhas de Honra ao Mérito, diplomas e certificados pelo bom desempenho escolar.
Aos poucos, Almasor estimulou-o a estudar a magia, a conhecer as religiões, a buscar o domínio de seu olhar, de suas emoções e a utilização de poderes concentrados na natureza e símbolos que seu pai apresentava com periodicidade. Gradualmente Tomé se afastava da vida comum e se aprofundava nos mistérios que os meninos de sua idade zombavam ou se quer imaginavam poder existir.
Na festa de seus quinze anos, Almasor organizou um grande evento em sua mansão. Colegas de classe seriam convidados e muitos ansiavam conhecer a mansão, tão comentada e de acesso tão restrito. Esbanjou-se luxo e ostentação, com os mais caros buffets, música, dança. O traje obrigatório era do século XVI. Época em que Almasor era apaixonado. Todos compareceram impecavelmente. A festa foi divertida, descontraída, estimulada principalmente pelos trajes cuidadosamente escolhidos pelos participantes. A imprensa compareceu maciçamente fazendo a cobertura de uma das festas mais cobiçadas de todos os tempos. Ao som de músicas renascentistas como as composições de Clément Janequin deram ao evento um tom nobre e misterioso, estimulando a imaginação e gerando uma certa expectativa em todos. Mas a festa foi encerrada deixando todos ainda mergulhados no mundo onírico, vagando por entre suas fantasias.
Tomé abraçou seu pai com ternura e gratidão.
- Esse ainda não é meu presente a você. O que darei a você é para toda sua vida..., disse Almasor e sem muitas palavras fez sinal que o seguisse.
Desceram as escadas que levavam a um compartimento subterrâneo que Tomé nunca imaginou que pudesse estar ali. Era uma ampla sala, mobiliada no estilo renascentista, repleta de estantes abarrotadas de livros, papiros e pergaminhos. Alguns livros realmente gigantescos. Certamente, muitas vezes seu pai teria se refugiado ali. Era aconchegante, tranqüilo, uma energia estranha fluía...
- Veja tudo a sua volta aqui está nossa história !!!, revelou orgulhoso o poderoso homem – a história de nossa família através dos séculos....você faz parte de um elo muito antigo.
- Mas pai ! Sei que o considero como minha família, mas o senhor mesmo disse que sou adotado...não tenho o seu sangue, replicou o adolescente sem entender, em tom quase lamentoso.
- Esperei o momento certo para falar com você sobre isso. Em um certo dia, sua mãe, Elza, aproximou-se dos portões desta casa, afastou-os e entrou. Quando percebi estava estática na porta dos fundos, junto à cozinha. Ali surgiu um diálogo que impulsionou-me a pedir que se sentasse, diante do que ela relatou-me. Não sei explicar como e por que a conversa fluiu, mas quando dei por mim, estava diante de uma pessoa espetacular. Senti que ela emitia o odor de uma linhagem especial. Provinha de família abastada em cujos antepassados desfilaram condes e condessas, duques e duquesas, ligados a tradições nobres. Elza não teve muita sorte e o destino a arrastou para as ruas, depois da decadência financeira. Mas ainda era possível sentir o sangue nobre correndo por suas veias. Sua descendência não poderia extinguir-se com ela. Suplicava que sua família continuasse existindo...de minha união com Elza nasceu você. Sou verdadeiramente seu pai.
Tomé paralisou-se sentado na poltrona almofadada. Segurou-se para não desmaiar. Os anos de treinamento estavam sendo convocados naquele momento para que o sustentasse. Estava trêmulo e um nó na garganta emergia, apesar de sua luta interior para manter-se em equilíbrio. Mas maiores revelações ainda estavam por acontecer. Almasor fez uma longa apresentação sobre seus antepassados, cada quadro a óleo com personalidades que dominaram regiões, peças valiosas que atravessaram os séculos, anotações de próprio punho de pessoas já extintas há centenas de anos. Tudo era apresentado orgulhosamente.
- Que idade você atribuiria a mim ? – questionou num impulso, com olhar vítreo e profundo, como atravessando a alma de Tomé.
- Talvez quase cinqüenta..., arriscou o jovem embaraçado e ainda impactado pelos recentes diálogos.
- Você acreditaria se eu lhe dissesse que são mais de quinhentos...?, perguntou enquanto segurava a mão de Sabazios.
Tomé olhou-o sem saber o que argumentar, sorriu duvidoso. Almasor revelou-lhe sem rodeios que pertencia a um clã também antigo, que trazia os grãos de areia do Egito do tempo dos faraós. Como num conto insólito expôs que no século XVI conhecera um homem de nome Estevão. Um homem de grande influência, de um fantástico magnetismo pessoal, culto, viajara o mundo todo e conhecia o trânsito entre os mundos. Esse homem o tornara imortal. Contou-lhe que Tomé a partir de agora poderia participar dos encontros, das festas e demais atividades do clã, mas para isso deveria também deixar sua vida terrena e falível para ingressar na eternidade.
Conduzindo Tomé a uma outra sala, o rapaz deparou-se com um homem de beleza incomparável, olhar penetrante, gestos polidos, enigmático e misterioso.
- Tomé, quero apresentar-lhe, Estevão...- Almasor estava exultante, aquele seria o ritual de iniciação de seu filho, seu próprio sangue mais uma vez acessando o mundo dos semideuses.
Um odor de ervas imantava todo o lugar de forma quase sufocante. Tomé parecia entontecido, aéreo, com lapsos de inconsciência. Cumprimentou mecanicamente o homem que se apresentava com um sorriso malicioso.
Como em um sonho viu-se arrastado a um mundo sobrenatural, com imagens bizarras que saíam da penumbra. Caminhava entre vapores cinzentos e pouca luminosidade. Os sons eram como gritos e lamentações que vez ou outra rompiam a escuridão, fazendo-o buscar sua origem. Clamou por diversas vezes, chamando seu pai e Estevão, mas o silêncio sepulcral era a resposta. Sentia-se exausto.
Após seguir por entradas similares a uma gruta, viu a imagem de alguém com um manto, a princípio um vulto que parecia seguir à sua frente. O homem fez um sinal que o seguisse. O lugar metamorfoseou-se em um bosque, onde mochos, serpentes negras e panteras circulavam ameaçadoras. Em alguns momentos afundava-se na lama fétida, obrigando-o a despir-se na tentativa de livrar-se dos odores que pareciam agarra-se a sua pele.
Uma estrada, árvores colossais e um castelo pareceram brotar diante de seus olhos. Homens mal encarados davam espaço para que atravessasse. Uma mulher lindíssima sorriu-lhe. Em seu íntimo sabia que era Elza, sua mãe. Adentrou o castelo, invadindo o grande salão onde um homem o aguardava no trono.  O trono era de pedra onde foram esculpidas serpentes entrelaçadas e vários símbolos mágicos. O homem estava nu com uma máscara onde ressaltava os dentes pontiagudos e chifres similares ao do wildebeest, além de outro que saía como do unicórnio, porém bem menor que os outros dois. A voz era rouca e compassada pronunciando uma espécie de cântico em língua estranha. Levantou-se e dirigiu-se a Tomé, abraçando-o, num ímpeto lançou a máscara ao longe e mordeu-lhe o pescoço.
Tomé entregou-se, como se mil imagens fluíssem em sua mente. Não foi possível controlar a ereção e o orgasmo.
- Jenouego é seu nome !, disse-lhe o homem bem junto ao ouvido.
Tomé despertou em sua cama, despido e renovado. Sentia um incrível vitalidade. Diante do espelho percebeu duas marcas em seu pescoço. Desceu às pressas procurando seu pai.
Almasor sorriu e o abraçou.
- Parabéns ! Agora você é um adulto ! Um vampiro ! Este é o maior presente que poderia lhe conceder em seu aniversário.    

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções