domingo, 15 de maio de 2011

A LENDA DE TAPIAGUAÇÚ


Isso aconteceu há muito tempo, antes dos brancos ancorarem suas caravelas nas praias brasileiras. Um tempo em que os dias eram marcados pelo nascer e por do sol, pela sucessão de luas, pelos frutos do caju revelando um ano a mais para cada um que ali vivesse. Um tempo de paz e onde a guerra surgia para proteção de seus territórios, mas isso era raro. Tempo em que abundavam a caça, a pesca e os frutos e raízes colhidos da mata e a os deuses falavam diretamente com os homens.
Era já madrugada e a lua reinava como um círculo brilhante. O velho feiticeiro disse ter visto uma uruguaçu, negra e reluzente, andando ao redor da aldeia. Por essa razão, iniciou seus cânticos enquanto pitava seu grande cachimbo, intentando falar com os espíritos. Taraguá estava em trabalho de parto. Sua gravidez tinha sido misteriosa. Um dia entrou na mata, em noite proibida, quando voltou deu apenas alguns passos e desmaiou. Assim ficou um mês deitada na rede, alimentada com as ervas que Aimberê lhe preparava. Todos acreditavam que não sobreviveria, havia quebrado um preceito, poderia até ser expulsa, mas o feiticeiro a acolheu. Ele falou com a ambuá e ela disse para proteger a moça. Somente ele sabia o que havia acontecido.
O parto foi difícil. Taraguá não resistiu, mas o menino nasceu forte. O feiticeiro o abençoou e o entregou para Aisó. Ela cuidaria dele como se fosse seu próprio filho. O menino crescia amparado pelo olhar atento de Aimberê. O velho ensinava seus segredos, mostrava como ler o tempo e os sinais dos espíritos e dos deuses. Prometeu a toda aldeia que no dia em ele fosse furar a orelha tudo seria revelado. O menino já havia se tornado adolescente, cumpriria os rituais de passagem para se tornar um homem. Naquela noite a jiquitaia falou com o velho, dando a ele as orientações das provas pelas quais o rapaz deveria passar. Aimberê chorou. Não acreditava que conseguiria. Deveria, no entanto, obedecer.
Enquanto os outros adolescentes da aldeia se preparavam para enfrentar o marimbondo, o feiticeiro chamou Tapiaguaçú para junto de si. O momento era esperado e todos estavam ansiosos, quase entrando na boca do pajé. Ele parecia mergulhar no tempo e conversar com os antepassados. Seu olhar distante aos poucos fixou-se no rapaz que ele se apoiava no ombro.
- Na noite em que não se sai e todos devem permanecer em suas ocas, Taraguá desobedeceu, entrou na mata escura, onde a luz da lua pouco iluminava. Nessa noite havia um buraco onde se podia entrar no mundo dos deuses e os deuses caminharem livres por nossa aldeia. Não se pode olhar os deuses sem que coisas ruins aconteçam. Mas Akuanduba viu Taraguá, admirou seus seios, seu corpo e sua beleza. Apaixonou-se. Por isso ele se transformou em homem e apareceu diante dela. Fizeram amor aos pés da becuiva. Lá a semente foi plantada. Foi lá que Tapiaguaçú começou a crescer. Ele é filho de uma mulher de nossa aldeia e de um deus, por isso já nasceu um feiticeiro. Por isso as provas para se tornar um homem são maiores, mais difíceis.
A aldeia estava muda como uma abói enfiada no solo. O vento também escondeu-se. Tudo estava parado. O pajé continuou.
- Como prova, Tapiaguaçú deve trazer para a aldeia um quartzo branco do palácio de Yebá Bëló...disse o velho em tom solene. Levará arco, flecha e zarabatana., mas os perigos que enfrentará de pouco servirá estas armas. Deverá usar inteligência e sagacidade. Deve retornar dentro de quatro luas ou não mais poderá fazer parte daqui, vagando para sempre pela floresta.
O rapaz tremia, tentando disfarçar e mostrar sua virilidade. O pajé baforou várias vezes nas armas, fazendo encantamentos que o ajudariam a vencer a prova.
Tapiaguaçú correu para o meio da floresta. Naquela noite ajeitou-se entre folhas de coqueiro, buscando proteger-se do frio. A noite ia alta quando ouviu ruídos, um caminhar cuidadoso nas folhas secas. Escondido entre as folhas viu um grupo de mulheres, as guerreiras da mata, ferozes e traiçoeiras. Seu coração disparou, parecia querer saltar pela boca a qualquer momento. Procurou evitar qualquer som que pudesse chamar a atenção. Mantinha-se oculto, se não fosse um guaxinim identificá-lo e promover um escândalo no local. As mulheres se aproximam. O rapaz foi capturado.
Na aldeia das guerreiras, uma grande fogueira está acesa. Tapiaguaçú, tendo suas mãos e pés amarrados, torna-se objeto de admiração coletiva. Logo uma anciã, de longos cabelos, arcada pelo tempo, e de passos muito lentos, quase carregada por duas mulheres, se aproxima. Ela fala em língua que ele não entende.
Uma garota lhe trás um pote de barro com brasa viva e um punhado de ervas secas. A anciã, que todos chamam de Maiara, se aproxima e corta um tufo de cabelo do rapaz, mistura-o com as ervas e lança nas brasas gerando uma fumaça grossa e mal cheirosa. Ela passa várias vezes um punhado de ossos por ela, pronunciando palavras estranhas, e depois lança os ossos no chão. Lendo a caída dos ossos, ela se surpreende e lança novamente. Como que magnetizados os ossos recaem nos mesmos lugares. Olha atenta e abalada. Mais um lançamento e a resposta se repete. Ela cochicha com a mulher que parece ser a líder guerreira.
- Caraíba ....a mulher grita. Num eco todos repetem.
Como que a um sinal duas moças se aproximam oferecendo-lhe uma bebida alcoólica e alimentos. Na manhã seguinte é levado a uma nascente onde é banhado e recebe colares de contas e cores diversas. Uma espécie de sucos de ervas age como um sabão espumante, limpando a pele e perfumando-a. Após recebe pinturas complexas por todo o corpo. O rapaz teme que seja um ritual de morte.
Retornando o séquito a aldeia se depara com a anciã no meio do terreno, lá ela lança pós e entoa seus cânticos. Tapiaguaçú é, então, conduzido para uma oca onde está a líder guerreira. Percebe que é um ritual amoroso, um ritual de fertilidade e sua tarefa é garantir que a mulher tenha um filho ou melhor, uma filha. A aldeia, composta apenas por mulheres, eventualmente rapta homens para acasalamento. No caso específico, a velha deve ter descoberto que é filho de um deus e gerará uma menina. Mostrando-se solícito procura atender aos ritos das guerreiras. Antes do amanhecer foge para a mata, aproveitando-se da distração das mulheres.
Caminha longamente pela floresta. Tendo fome encontra mel de jataí. Recosta-se a uma árvore buscando descansar, quando sente seus ombros acariciados. Levanta-se num salto. Vê-se diante de Jarina, a deusa árvore. Ela lhe orienta a apanhar cera de abelhas, pois irá precisar em breve.  
Assustado, penetra na penumbra da mata, desaparecendo. Deve agora atravessar o grande rio. Com cipós e bambus começa a construir uma jangada. Deve atravessá-lo antes que anoiteça. É lua cheia e não se pode aproximar das águas nestas noites.
Observado pelos jacarés, Tapiaguaçú inicia sua travessia, quando percebe que mal amarrados os bambus começam a se soltar e serem levados pelas águas. Para se proteger se agarra em algumas pedras e uma árvore seca no meio do rio. Enquanto pensa alternativas para sair dali a noite chega. O pajé muito havia lhe contado as histórias da Mãe D´Água, das Yaras, de Cotaluna, Asima Si e outras deusas que habitavam as águas. Eram sedutoras e mortais. Viu uma rabanada na água. Outra e mais outra. Algo nadava circulando onde estava.
- Tapiaguaçú ! Tapiaguaçú ! Tapiaguaçú !...uma voz doce e meiga o chamava.
No meio do rio, emerge uma mulher belíssima, caminhando sobre as águas em sua direção. Parecia cintilar aos raios do luar. Seus hormônios masculinos entraram em ebulição. Lembrou-se da cera de abelha e dos avisos da deusa árvore. Tapou os ouvidos, ensurdecendo-se aos chamados daquela encantadora mulher.
Mesmo assim parecia hipnotizado. Sua razão dizia que se a seguisse morreria, seria levado para o fundo do rio. Mas algo o atraía para ela, irresistivelmente. Levantou-se pronto para atender ao chamado, quando sentiu que alguém o agarrou pela cintura, puxando-o violentamente. Era Iná, a deusa do golfinho, que o conduzia para a outra margem. Cavalgou no animal, segurando a cintura da deusa, atônito e desperto do encantamento.
Naquele momento, acocorado nas margens do rio orou para Acy, a mãe da lua, e por todas as deusas que estavam o acompanhando e intervindo para que não sucumbisse.
Ali adormeceu, sem reparar que uma sucuri passava ao seu lado.
Sentiu-se perdido sem saber para onde ir. Tomou rumo ao interior da mata, por instinto. Já não sabia onde estava. Entendeu que não teria como retornar a aldeia. Apoiou as mãos no rosto e chorou. Subitamente ouviu o ruído da onça, recompondo-se, atento. Encolheu-se atrás de uma grande paineira. Olhou várias vezes por de trás da árvore e o animal havia desaparecido. Seu alívio teve pouca duração. Sentiu o fungar da onça em suas costas. Virou-se abruptamente, dando de cara com ela.
A onça o olhou transformando-se em uma mulher bela e atraente. Reconheceu ser Topétine. Ela lhe deu uma poção que o encolheria, de maneira que pudesse entrar no buraco da formiga, passagem para o mundo subterrâneo.
Pequenino, Tapiaguaçú entrou no formigueiro. O cheiro da poção que esfregara no corpo mantinha os insetos afastados. Caminhou pelas cavernas do submundo. Uma das entradas parecia muito iluminada, escorregou cautelosamente pelos corredores. Um grande salão se abriu diante de seus olhos. Algumas estalagmites e estalactites brilhavam como diamantes lapidados, que iluminados pelas tochas das paredes, emitiam fachos multicoloridos. Sem dúvida, alguém residia ali.
Estupefato, andou pelo lugar, a passos leves. Contudo, não demorou para que uma mulher com o corpo metade serpente se apresentasse. Era Boiúna. Ela o olhou com olhos vítreos, fixos, nada amistosos. Uma luta desenfreada se desencadeou.  Flechas e zarabatana eram inúteis. O jovem recebeu profundo corte no peito. Aproveitou-se das lascas dos diamantes, altamente cortantes, para preparar a ponta das flechas. Após várias tentativas, uma flecha atingiu o coração daquele ser misterioso, derrubando-o. Sem refletir afundou-se no interior da gruta. Corredores escuros e escorregadios, rios subterrâneos, lodo. Nesse ambiente inóspito, Tapiaguaçú escorregou sendo levado pelas águas. A correnteza forte e persistente o impedia de agarrar-se a qualquer coisa para se salvar.
A mão de Mara o resgatou, arrancando-o das águas e levando-o a lugar seguro. Mara, a mulher da magia, a única deusa capaz de alterar o rumo das coisas. Mara lhe deu um manto feito das escamas do piau e que deveria usar quando estivesse em grande perigo. Também entregou uma pasta venenosa, informando que saberia quando usar. A deusa desapareceu na escuridão da gruta.
Seguiu o jovem, como se andasse pela noite sem lua. Foi do alto que avistou o reluzente palácio de Yebá Bëló, todo feito de quartzo e reunindo tesouros incalculáveis. O lugar emergia das águas, porém não boiava, estava suspenso. Nadou até próximo do belíssimo castelo, guardado por homens peixe, outros com aparência de salamandras, serpentes e centopéias. Com as raízes do aguapé trançou uma corda que o elevou até uma das entradas, aparentemente menos vigiada. Molhado, temia escorregar no chão cristalino. Fugidio, adentrou corredores e visitou salas. Na sala do trono, viu a fascinante deusa, conversando enquanto tecia uma rede de fios iridescentes.
Continuou vasculhando os espaços em busca de um cristal que pudesse carregar consigo. Em uma sala pilhas deles se amontoavam. Estava prestes a pegar um quando surgiu diante de si o temível teiniaguá, o lagarto protetor dos tesouros. Apanhou rapidamente um cristal, enquanto o monstro se aproximava. Poderia ser morto. Mais uma vez constatou que nada o feria. Nem mesmo as flechas com as pontas diamantinas.
Besuntou a zarabatana com a pasta que recebera de Mara e mirou na língua do animal, enquanto se mostrava com sua força ameaçadora. O lagarto caiu paralisado. Aproveitando-se correu buscando a saída. Sua agitação despertou os guardiães que passaram a segui-lo até encurralá-lo. Envolveu-se na capa de escamas e transformou-se em um piau mergulhando nas águas. Distante, Yebá Bëló sorri satisfeira acompanhando toda cena em seu espelho d´água. Ele mergulhou seguindo o fluxo das águas. Quando os raios de luz de Coaracy incidiram sobre as águas, ele boiou no rio.
Respirou profundamente sentindo novamente o ar da floresta. O ambiente era conhecido. Uma breve caminhada e estaria na aldeia. Adentrou-a aclamado por todos. O velho Aimberê o abraçou e recebeu o belo cristal, para o qual Tapiaguaçú fora desafiado. Era noite de festa. Tapiaguaçú agora era um homem.
- Hoje era o último dia para seu retorno e você cumpriu sua prova. Que Akuanduba o faça feliz e saudável !

CONTOS EMANADOS DE SITUAÇÕES COTIDIANAS

“Os contos e poemas contidos neste blog são obras de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”

SABORES DO COMENDADOR

Ator Nacional: Carlos Vereza

Ator Internacional: Michael Carlisle Hall/ Jensen Ackles/ Eric Balfour

Atriz Nacional: Rosamaria Murtinho / Laura Cardoso/Zezé Mota

Atriz Internacional: Anjelica Huston

Cantor Nacional: Martinho da Vila/ Zeca Pagodinho

Cantora Nacional: Leci Brandão/ Maria Bethania/ Beth Carvalho/ Alcione/Dona Ivone Lara/Clementina de Jesus

Música: Samba de Roda

Livro: O Egípcio - Mika Waltaire

Autor: Carlos Castañeda

Filme: Besouro/Cafundó/ A Montanha dos Gorilas

Cor: Vinho e Ocre

Animal: Todos, mas especialmente gatos, jabotis e corujas.

Planta: aloé

Comida preferida: sashimi

Bebida: suco de graviola/cerveja

Mania: (várias) não passo embaixo de escada

O que aprecio nas pessoas: pontualidade, responsabilidade e organização

O que não gosto nas pessoas: pessoas indiscretas e que não cumprem seus compromissos.

Alimento que não gosta: coco, canjica, arroz doce, melão, melancia, jaca, caqui.

UM POUCO DO COMENDADOR.


Formado em Matemática e Pedagogica. Especialista em Supervisão Escolar. Especialista em Psicologia Multifocal. Mestre em Educação. Doutor Honoris Causa pela ABD e Instituto VAEBRASIL.

Comenda Rio de Janeiro pela Febacla. Comenda Rubem Braga pela Academia Marataizense de Letras (ES). Comenda Castro Alves (BA). Comendador pela ESCBRAS. Comenda Nelson Mandela pelo CONINTER e OFHM.

Cadeira 023, da Área de Letras, Membro Titular do Colegiado Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba, patronesse Juliana Dedini Ometto. Membro efetivo da Academia Virtual Brasileira de Letras. Membro da Academia Brasileira de Estudos e Pesquisas Literárias. Membro da Literarte - Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos. Membro da União Brasileira de Escritores. Membro da Academia de Letras e Artes de Fortaleza (ALAF). Membro da Academia de Letras de Goiás Velho (ALG). Membro da Academia de Letras de Teófilo Ottoni (Minas Gerais). Membro da Academia de Letras de Cabo Frio (ARTPOP). Membro da Academia de Letras do Brasil - Seccional Suíça. Membro da Academia dos Cavaleiros de Cristóvão Colombo. Embaixador pela Académie Française des Arts Lettres et Culture. Membro da Academia de Letras e Artes Buziana. Cadeira de Grande Honra n. 15 - Patrono Pedro I pela Febacla. Membro da Academia de Ciências, Letras e Artes de Iguaba Grande (RJ). Cadeira n.º 2- ALB Araraquara.

Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Taquaritinga pelos serviços em prol da Educação. Moção de Aplausos pela Câmara Municipal de Bebedouro por serviços prestados à Educação Profissional no município. Homenagem pela APEOESP, pelos serviços prestados à Educação. Título de Cidadão Bebedourense. Personalidade 2010 (Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade Mais Influente e Educador 2011(Top of Mind - O Jornal- Bebedouro). Personalidade 2012 (ARTPOP). Medalha Lítero-Cultural Euclides da Cunha (ALB-Suíça). Embaixador da Paz pelo Instituto VAEBRASIL.

Atuou como Colunista do Diário de Taquaritinga e Jornal "Quatro Páginas" - Bebedouro/SP.
É Colunista do Portal Educação (http://www.portaleducacao.com.br

Premiações Literárias: 1º Classificado na IV Seletiva de Poesias, Contos e Crônicas de Barra Bonita – SP, agosto/2005, Clube Amigo das Letras – poema “A benção”, Menção Honrosa no XVI Concurso Nacional de Poesia “Acadêmico Mário Marinho” – Academia de Letras de Paranapuã, novembro/2005 – poema “Perfeita”, 2º colocado no Prêmio FEUC (Fundação Educacional Unificada Campograndense) de Literatura – dezembro/2005 – conto “A benção”, Menção Especial no Projeto Versos no Varal – Rio de Janeiro – abril/2006 – poema “Invernal”, 1º lugar no V Concurso de Poesias de Igaraçu do Tietê – maio/2006 – poema “Perfeita”, 3º Menção Honrosa no VIII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba – setembro/2006 – poema “Perfeita”, 4º lugar no Concurso Literário de Bebedouro – dezembro/2006 –poema “Tropeiros”, Menção Honrosa no I concurso de Poesias sobre Cooperativismo – Bebedouro – outubro/2007, 1º lugar no VI Concurso de Poesias de Guaratinguetá – julho/2010 – poema “Promessa”, Prêmio Especial no XII Concurso Nacional de Poesias do Clube de Escritores de Piracicaba, outubro/2010, poema “Veludo”, Menção Honrosa no 2º Concurso Literário Internacional Planície Costeira – dezembro/2010, poema “Flor de Cera”, 1º lugar no IV Concurso de Poesias da Costa da Mata Atlântica – dezembro/2010 – poema “Flor de Cera”. Outorga do Colar de Mérito Literário Haldumont Nobre Ferraz, pelo trabalho Cultural e Literário. Prêmio Literário Cláudio de Souza - Literarte 2012 - Melhor Contista.Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia 2012 (Literarte/Editora Mágico de Oz), Melhor Contista 2013 (Prêmio Luso Brasileiro de Contos - Literarte\Editora Mágico de Oz)

Antologias: Agreste Utopia – 2004; Vozes Escritas –Clube Amigos das Letras – 2005; Além das Letras – Clube Amigos das Letras – 2006; A Terra é Azul ! -Antologia Literária Internacional – Roberto de Castro Del`Secchi – 2008; Poetas de Todo Brasil – Volume I – Clube dos Escritores de Piracicaba – 2008; XIII Coletânea Komedi – 2009; Antologia Literária Cidade – Volume II – Abílio Pacheco&Deurilene Sousa -2009; XXI Antologia de Poetas e Escritores do Brasil – Reis de Souza- 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2009; Guia de Autores Contemporâneos – Galeria Brasil – Celeiro de Escritores – 2010; Prêmio Valdeck Almeida de Jesus – V Edição 2009, Giz Editorial; Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas - Celeiro de Escritores, 2010; Contos de Outono - Edição 2011, Autores Contemporâneos, Câmara Brasileira de Jovens Escritores; Entrelinhas Literárias, Scortecci Editora, 2011; Antologia Literária Internacional - Del Secchi - Volume XXI; Cinco Passos Para Tornar-se um Escritor, Org. Izabelle Valladares, ARTPOP, 2011; Nordeste em Verso e Prosa, Org. Edson Marques Brandão, Palmeira dos Indios/Alagoas, 2011; Projeto Delicatta VI - Contos e Crônicas, Editora Delicatta, 2011; Portas para o Além - Coletânea de Contos de Terror -Literarte - 2012; Palavras, Versos, Textos e Contextos: elos de uma corrente que nos une! - Literarte - 2012; Galeria Brasil 2012 - Guia de Autores Contemporâneos, Celeiro de Escritores, Ed. Sucesso; Antologia de Contos e Crônicas - Fronteiras : realidade ou ficção ?, Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012; Nossa História, Nossos Autores, Scortecci Editora, 2012. Contos de Hoje, Literacidade, 2012. Antologia Brasileira Diamantes III, Berthier, 2012; Antologia Cidade 10, Literacidade, 2013. I Antologia da ALAB. Raízes: Laços entre Brasil e Angola. Antologia Asas da Liberdade. II Antologia da ACLAV, 2013, Literarte. Amor em Prosa e Versos, Celeiro de Escritores, 2013. Antologia Vingança, Literarte, 2013. Antologia Prêmio Luso Brasileiro - Melhores Contistas 2013. O tempo não apaga, Antologia de Poesia e Prosa - Escritores Contemporâneos - Celeiro de Escritores. Palavras Desavisadas de Tudo - Antologia Scortecci de Poesias, Contos e Crônicas 2013. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXIII, RG Editores. Antologia II - Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. antologia Escritores Brasileiros, ZMF Editora. O Conto Brasileiro Hoje - Volume XXVI - RG Editores (2014). III Antologia Poética Fazendo Arte em Búzios, Editora Somar (2014). International Antology Crossing of Languages - We are Brazilians/ antologia Internacional Cruce de Idiomas - Nosotros Somos Brasileños - Or. Jô Mendonça Alcoforado - Intercâmbio Cultural (2014). 5ª Antologia Poética da ALAF (2014). Coletânea Letras Atuais, Editora Alternativa (2014). Antologia IV da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). A Poesia Contemporânea no Brasil, da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, Editora Iluminatta (2014). Enciclopédia de Artistas Contemporâneos Lusófonos - 8 séculos de Língua Portuguesa, Literarte (2014). Mr. Hyde - Homem Monstro - Org. Ademir Pascale , All Print Editora (2014)

Livros (Solos): “Análise Combinatória e Probabilidade”, Geraldo José Sant’Anna/Cláudio Delfini, Editora Érica, 1996, São Paulo, e “Encantamento”, Editora Costelas Felinas, 2010; "Anhelos de la Juvenitud", Geraldo José Sant´Anna/José Roberto Almeida, Editora Costelas Felinas, 2011; O Vôo da Cotovia, Celeiro de Escritores, 2011, Pai´é - Contos de Muito Antigamente, pela Celeiro de Escritores/Editora Sucesso, 2012, A Caminho do Umbigo, pela Ed. Costelas Felinas, 2013. Metodologia de Ensino e Monitoramento da Aprendizagem em Cursos Técnicos sob a Ótica Multifocal (Editora Scortecci). Tarrafa Pedagógica (Org.), Editora Celeiro de Escritores (2013). Jardim das Almas (romance). Floriza e a Bonequinha Dourada (Infantil) pela Literarte. Planejamento, Gestão e Legislação Escolar pela Editora Erica/Saraiva (2014).

Adquira o seu - clique aqui!

Adquira o seu - clique aqui!
Metodologia e Avaliação da Aprendizagem

Pai´é - Contos de Muito Antigamente

Pai´é - Contos de Muito Antigamente
Contos de Geraldo J. Sant´Anna e fotos de Geraldo Gabriel Bossini

ENCANTAMENTO

ENCANTAMENTO
meus poemas

Análise Combinatória e Probabilidades

Análise Combinatória e Probabilidades
juntamente com o amigo Cláudio Delfini

Anhelos de la Juvenitud

Anhelos de la Juvenitud
Edições Costelas Felinas

A Caminho do Umbigo

A Caminho do Umbigo
Edições Costelas felinas

Voo da Cotovia

Voo da Cotovia
Celeiro de Escritores

Divine Acadèmie Française

Divine Acadèmie Française

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013

Prêmio Luso Brasileiro de Poesia 2012/2013
Literarte/Mágico de Oz (Portugal)

Lançamento da Antologia Vozes Escritas

Lançamento da Antologia Vozes Escritas
Noite de autógrafos em Barra Bonita-SP

Antologia Literária Cidade - Volume II

Antologia Literária Cidade - Volume II
Poemas : Ciclone e Ébano

Antologia Eldorado

Antologia Eldorado

Antologia II

Antologia II

Antologia Cidade 10

Antologia Cidade 10
Org. Abílio Pacheco

Antologia da ALAB

Antologia da ALAB

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas

Antologia Poesia Contemporânea - 14 Poetas
Lançamento do CELEIRO DE ESCRITORES

Contos de Hoje - Narrativas

Contos de Hoje - Narrativas
Literacidade

O Conto Brasileiro Hoje

O Conto Brasileiro Hoje
RG Editores

4ª Antologia da ALAF

4ª Antologia da ALAF
Academia de Letras e Artes de Fortaleza

Dracúlea II

Dracúlea II
...você já leu ?

Antologia Del´Secchi

Antologia Del´Secchi

Sobrenatural

Sobrenatural
Conto: A Casa do Velho

Diamantes III

Diamantes III
Organização Fídias Teles

Entre em contato com a Editora Erica

Entre em contato com a Editora Erica
Não perca mais tempo, adquira seu exemplar.

Minhas produções

Minhas produções